" O CAMPO É O MUNDO" (Mt 13:38)

Noticiário Missionário

 

 

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

domingo, 29 de janeiro de 2012

A paciência na obra missionária

 
 
 
Rev. Carlos del Pino
“Portanto, irmãos, sejam pacientes até a vinda do Senhor. Vejam como o agricultor aguarda que a terra produza a preciosa colheita e com espera com paciência até virem as chuvas do outono e da primavera. Sejam também pacientes e fortaleçam o seu coração, pois a vinda do Senhor está próxima”  -  Tg 5.7-8
Nos versos 7-12 deste capítulo vemos Tiago tratando das várias dimensões que assume a paciência na vida cristã. Com plena certeza todos cremos que este é um assunto de muita pertinência para os nossos dias, principalmente por vivermos em uma época em que a paciência já não mais é vista como uma virtude que devemos cultivar; antes, vivemos em um momento em que as pessoas querem satisfazer seus egos de forma imediata e a todo custo. Sendo assim, nos propomos a ver, passo a passo, as dimensões da paciência para a vida cristã e para a obra missionária, segundo as palavras de Tiago.
No texto de hoje (5.7-8) o autor nos apresenta o fundamento mais essencial para a paciência: a vinda de Jesus Cristo. Como cristãos sabemos que Cristo voltará, conforme ele mesmo nos prometeu (Mt 24.29-31), para o encontro definitivo e eterno com sua igreja, para o Juízo Final e para o estabelecer o destino eterno de todos os seres humanos. Mas já que não sabemos quando ocorrerá tal evento, não temos alternativa a não ser a de desenvolver a prática da paciência e da espera. Esperar pacientemente, portanto, é uma parte fundamental da vida cristã cotidiana y de sua espiritualidade.
O exemplo do agricultor que, naquele momento da história em uma região muito seca, não tinha outro remédio que aguardar com paciência pelas chuvas para que assim pudesse por sobre a mesa a comida para sua família, demonstra claramente a importância da paciência cristã fundamentando nossa esperança na vinda de Cristo. Si não nutrimos com esperança nossa espera pelo retorno de Cristo, como saberemos esperar pelas outras coisas que estão mais próximas?
Ao não aprender a esperar pacientemente pela ação de Deus, a espera pelas coisas mais próximas que nos rodeiam e que as consideramos importantes, se torna ansiosa e corrosiva. Transforma-se em um grande perigo para a sã paciência que deposita suas expectativas nas seguras mãos de Cristo. A medida, portanto, para todas as nossas esperas pessoais quanto a questões de família, de trabalho, de saúde e de missão é a paciência com que aguardamos o retorno de Jesus Cristo, que aproxima-se cada dia mais.
Para nós, especificamente, a paciência é um elemento fundamental em nossa caminhada missionária, principalmente quando as expectativas de sucesso numérico (e outros!) nos chegam de fora e de dentro de nós mesmos. Nossa vocação é exercida pacientemente e ao longo de toda a vida, sendo a perseverança e a fidelidade a Deus em tudo o que fazemos um dos principais elementos que dão sentido à missão, como uma derivação espiritual da nossa espera paciente pela volta de Jesus Cristo. Que Cristo nos ajude a caminhar pacientemente em sua missão por onde ele nos conduzir!
 
Rev. Carlos del Pino 
 
 

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

CLADE 5 publica material de estudos

 
O 5º Congresso Latino-americano de Evangelização 5 (CLADE 5), que acontece de 9 a 13 de julho de 2012, em San Jose, Costa Rica, publicou em português o Caderno de Participação. O objetivo é oferecer material didático para um processo participativo de diálogo e reflexão antes do evento e em torno do seu tema: “Sigamos Jesus em seu Reino de Vida. Guia-nos, Espírito Santo!”.
O caderno é dividido em três partes:
Parte 1: Seguindo Jesus pelo Caminho da Vida
Parte 2: O reino de Deus da vida
Parte 3: O Espírito da vida
Em cada parte, o material traz perguntas geradoras de diálogo, que estimulam a descoberta do significado de cada subtema. Muitas dessas perguntas abordam também questões sociais relacionadas à atual realidade latino-americana, como: meio ambiente, violência, projetos políticos, movimentos sociais e realidade da mulher.
O uso do caderno faz parte do processo de participação para o congresso; um processo “participativo, comunitário e contextual”. Pode ser usado pelos mais variados grupos, entre eles: grupos domésticos ou de discipulado, de universitários e profissionais, de trabalhadores de organizações de serviço.
O CLADE 5 é um evento promovido pela Fraternidade Teológica Latino-Americana (FTL).
Baixe gratuitamente: Caderno de Participação CLADE 5.
Informações sobre o CLADE 5: www.clade5.org
Fonte: RENAS
 

sábado, 21 de janeiro de 2012

O que a Igreja tem para fazer Missões

 
 
 
Rev.Paulo Serafim de Souza
 
Texto: Atos 1.6-8
 
INTRODUÇÃO:
Quando o evangelho chega a um povo não alcançado, a indagação dos primeiros convertidos é quase sempre a mesma: Por que não nos trouxeram esta boa notícia antes? Como ficarão nossos antepassados que morreram sem ouvir da salvação em Cristo? A igreja não pode demorar a ouvir o clamor dos que jazem sem o evangelho de Cristo. Deus quer alcançar os povos da terra com o evangelho e os povos precisam desesperadamente da graça salvadora de Deus no evangelho de Cristo. A igreja é agência de Deus aqui na terra para a concretização do seu propósito salvador em direção aos povos. É ela quem deve fazer missões, porque missões é o trabalho de Deus através da igreja para trazer o homem à comunhão com ele através de Jesus Cristo.  Foi para essa prioridade que Jesus chamou a atenção dos seus discípulos no texto em questão.
Os discípulos queriam saber do futuro e das coisas não reveladas. Não foi esta aprimeira vez que eles perguntaram a Jesus o que estava por vir e, como das outras vezes, o Senhor não lhes deu resposta. Em vez disso, Jesus lhes focalizou aatenção para a missão atual. O futuro está nas mãos de Deus, e não lhes competia saber o que o futuro lhes traria, pelo menos não em minúcias. Eles tinham que concentrar suas energias na grande tarefa que lhes fora dada: fazer discípulos de Jesus de todos os povos da terra, ou seja, serem suas testemunhas “até os confins da terra”. Pensando nisso, eu te desafio a pensar comigo sobre o tema: O que a igreja tem para fazer missões? Primeiro, ela tem o Espírito Santo.
 
I – O ESPÍRITO SANTO (V.8)
O Espírito Santo é um Espírito missionário e ele é o maior recurso que a igreja tem para fazer missões. Ele é o próprio Deus presente na vida da igreja para conceder poder, dons e abrir os corações dos incrédulos para o evangelho. Lucas, que escreveu o evangelho que leva o seu nome e o livro de Atos, já havia registrado a recomendação de Jesus aos seus discípulos que não saissem de Jerusalém até que do alto fossem revistidos de poder, ou seja, eles não poderiam fazer missões sem a descida definitiva do Espírito Santo que ocorreu no dia de Pentecostes.
Com a descida do Espírito Santo, os discípulos foram capacitados com o seu poder para darem testemunho ousado da morte e da ressurreição de Cristo. Homens tímidos e de pequena fé, agora capacitados pelo Espírito Santo tinham grande coragem para falarem das maravilhas de Deus, estando dispostos a sofrer e a morrer por causa de Cristo. No primeiro sermão do apóstolo Pedro após estar cheio do Espírito Santo, cerca de três mil pessoas foram tocadas por Deus e aceitaram o evangelho. Em todo livro de Atos vemos a ação do Espírito Santo salvando, chamando e capacitando a igreja para aobra missionária. Aliás, alguém já disse que o livro de Atos poderia muito bem se chamar: Atos do Espírito Santo por intermédio dos apóstolos.
O Espírito tem um papel fundamental em missões. Ele enche a igreja de poder, concede dons espirituais, chama pessoas para missões como Paulo e Barnabé, além de agir na vida dos incrédulos, convencendo-os do pecado, da justiça e do juízo. É somente pela ação do Espírito que uma pessoa pode entender e aceitar o evangelho da salvação em Cristo Jesus. O novo nascimento, é uma obra do Espírito como bem falou Jesus a Nicodemos. Não podemos jamais desprezar a ação do Espírito na obra missionária. Percebo dois extremos perigosos com relação a pessoa do Espírito Santo: Os pentecostais tendem a exaltar sua pessoa em detrimento das demais pessoas da Trindade e as igrejas históricas, como a Presbiteriana, tendem a desconsiderar a sua atuação em detrimento do seu caráter divino. O maior recurso de Deus para missões não são homens eloqüentes, não são a estrutura e o dinheiro da igreja, mas o Espírito Santo que age em nós e através de nós.
Quando formos planejar um trabalho missionário, não fiquemos primeiro pensando quantas pessoas temos, quanto recursos temos, quanta estrututra temos, mas busquemos o poder, o auxílio e a direção do Espírito Santo. Façamos como os irmãos moravianos que mantiveram uma reunião de oração por cem anos ininterruptos, conseguindo enviar missionários para várias partes do mundo. Façamos como Jesus que antes de começar o seu ministério terreno foi conduzido pelo Espírito para o deserto para orar e jejuar a fim de resistir às terríveis tentações do inimigo. Façamos como a igreja primitiva que perseverava em oração enquanto era revestida pelo poder do Espírito Santo para pregar a Palavra de Deus com toda intrepidez. Façamos como apóstolo Paulo que escreveu: “Não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito Santo”. Que a nossa igreja busque o poder do Espírito para fazer missões. Você pode dizer amém em concordância coma essa grande verdade bíblica. Amém!
Além do Espírito Santo,outro recurso que a igreja tem para fazer missões são as testemunhas de Jesus.
 
II – TESTEMUNHAS DE JESUS (V.8)
Os métodos de Deus são homens, mais precisamente são testemunhas de Jesus, pessoas que foram lavadas e redimidas pelo sangue do Cordeiro, que tiveram uma experiência pessoal com Jesus e que agora pelo poder do Espírito podem dar testemunho do que creram, sentiram e experimentaram de Jesus na sua vida pessoal. “Vós sereis minhas testemunhas”. Começa a missão, a evangelização para a construçãodo corpo de Cristo. Para isso há necessidade de “poder”. Porém não basta o poder do intelecto, da vontade humana, da retórica. “Poder do Espírito que desce sobre a igreja: somente por meio dele que é possível realizar a tarefa missionária. Com ele, os apóstolos e nós somos as “testemunhas” eficazes de Jesus.
Ele nos transforma em testemunhas. Conhecemos o termo “testemunha” do linguajar jurídico. Num processo judicial são interrogadas as testemunhas. Não lhes cabe externar sua opinião, nem relatar seus pensamentos, mas – exatamente como fazem os apóstolos – “falar das coisas que viram e ouviram”. As testemunhas estabelecem o que aconteceu na realidade. Por isso agora os apóstolos, já podiam ser testemunhas de Jesus. No entanto, como se trata de realidades invisíveis, divinas, não bastam todos os testemunhos humanos para convencer o próximo dos fatos. Somente o poder do Espírito Santo pode atestar o testemunho de Jesus de forma que atinja a consciência da pessoa e ela creia ou se rebele contra a verdade, que já não pode ser negada. O termo grego para “testemunha” =“martys” nos lembra que justamente esse testemunho que atinge o coração é que conduz os mensageiros ao sofrimento, e ele somente pode ser prestado mediante o sofrimento.
Nem todos foram chamados para serem missionários em Guiné-Bissau, nem todos foram chamados para serem pastores ou músicos, mas todos os crentes foram chamados por Jesus para serem suas testemunhas. O privilégio e o desafio de dar testemunho de Jesus são para todos crentes que foram salvos por ele. Portanto, onde você está, foi colocado por Jesus para dar testemunho dele: no seu trabalho, na sua escola e na sua família. Veja como Deus é bom: coloca você no seu trabalho para testemunhar dele e ainda permite que você ganhe o sustento para sua família e para o sustento da obra missionária.
Querido irmão, saiba de uma coisa: Antes de você ser um médico, um advogado, um enfermeiro, uma professora, um pedreiro, uma dona de casa ou um estudante, você é uma testemunha de Cristo. Você não trabalha onde trabalha só para ganhar dinheiro; você não estuda onde estuda só para adquirir conhecimentos; você não mora onde mora só para viver. Mas, principalmente para testemunhar de Cristo às pessoas com quem convive no trabalho, na escola e na vizinhança. Será que temos essa consciência? Os pais querem que seus filhos sejam médicos, advogados e engenheiros. Isso é uma coisa boa. O problema é que, às vezes, se esquecem de inculcar na cabeça dos seus filhos que antes de tudo eles são testemunhas de Jesus.  É preciso enfatizar essa missão de Deus para nós desde cedo. Temos procurado fazer isso com os nossos filhos. Sempre perguntamos para eles: vocês já falaram para os amigos sobre Jesus, já convidaram para ir à escola dominical?
Como testemunha de Jesus você deve se envolver de forma direta e indireta com missões. De forma direta você deve testemunhar de Jesus com sua vida e com suas palavras para seus amigos e vizinhos, entregar folhetos, Bíblias e literatura cristã, visitar hospitais e cadeias, etc. De forma indireta você pode orar pelos missionários, escrever para eles, informar-se do trabalho missionário no mundo, participar de conferências missionárias, ser fiel nos dízimos e generoso nas ofertas missionárias para que a igreja tenha sempre recursos para investir na evangelização do Brasil e de lugares distantes. 
Por mais que vivamos no mundo da tecnologia e do desenvolvimento científico: internet, celular, vôos espaciais, etc., Deus ainda prefere usar uma pessoa como testemunha para falar diretamente para outra, portanto, a evangelização pessoal, o discipulado, o evangelismo através de relacionamentos ainda é o grande método de Deus para o avanço da obra missionária. Podemos e devemos usar a tecnologia disponível, mas ela jamais pode substituir o contato pessoal, o relacionamento, o evangelismo de pessoa para pessoa, ao vivo e a cores. Igreja é relacionamento: com Deus e com pessoas. Missões também! Por isso, precisamos investir tempo e dinheiro em pessoas.
Temos muito que agradecer a Deus porque ele tem dado as suas testemunhas que o servem na IPB, dons, talentos, oportunidades, boa formação bíblica e profissional, boa estrutura e recursos abundantes que precisam ser canalizados para a obra missionária. Precisamos entender que tudo que Deus nos dá é para ser usado para glória dele e expansão do seu reino aqui na terra e não só para o nosso deleite pessoal. O Brasil foi ricamente abençoado pela igreja americana que enviou seus melhores homens e mulheres: pastores, médicos e professores, além de enorme quantidade de recursos financeiros para a plantação de igrejas, fundação de seminários, hospitais, escolas e universidades. Eles entenderam seu papel como testemunhas de Jesus. Agora é a nossa vez, é a vez da sua igreja, é a vez da IPB ser uma testemunha de Jesus para o mundo.
Já vimos que a igreja tem para fazer missões o Espírito Santo, as testemunhas de Jesus e também a visão missionária de Jesus.
 
III – A VISÃO MISSIONÁRIA DE JESUS (V.8)
O campo da igreja, ou seja, sua esfera de atuação é o mundo porque a ordem de Jesus tem um escopo universal. Partindo de Jerusalém, os discípulos deveriam sair até os confins da terra. Estas palavras contêm o corretivo para a pergunta individualista dos apóstolos no v. 6, embora se possa duvidar que eles tenham entendido dessa maneira na época. O nacionalismo judaico da igreja primitiva demorou muito a morrer. Todavia, à época em que Lucas estava escrevendo, esse nacionalismo extremado em grande parte já era coisa do passado, e a frase "até os confins da terra" havia assumido sentido mais amplo. Abrangia agora o império romano, representado pela própria Roma e, nessa base, Lucas adotou o programa resumido nesse versículo como estrutura de sua narrativa. Jerusalém– Judéia – Samaria – todo o mundo. Durante longos capítulos ele nos manterá em Jerusalém; depois ele passa ao grande avivamento na Samaria, e, na seqüência, à conversão de Paulo, com o qual viajaremos até Roma.
Jesus abriu os olhos dos discípulos para que pensassem não em termos particulares (Israel), mas em termos universais (“até os confins da terra”). Ainda hoje a igreja tende a pensar em missões, em termos particulares (aumentar seu número de membros ou abrir uma congregação em outro bairro da cidade). Ela deve pensar nisso, mas não somente nisso, seu campo não é apenas sua cidade, mas o mundo. Por muito tempo, por má interpretação do texto em questão a igreja brasileira pensou cronologicamente e não simultaneamente. Ela pensou: primeiro vamos evangelizar Jerusalém (nossa cidade), depois vamos evangelizar a Judéia (nosso estado), depois vamos evangelizar Samaria (nosso país) e depois vamos evangelizar os confins da terra (o mundo). Porém, o texto não dá base para essa ideia. Jesus disse que a igreja deve ser testemunha dele tanto aqui quanto em outros lugares ao mesmo tempo.
A igreja de Jerusalém não esperou evangelizar toda a cidade para sair do seu território. A igreja americana não esperou evangelizar todo o país para enviar Simonton ao Brasil. O testemunho de Jesus é para ser dado pela igreja simultaneamente no Brasil e no mundo. Como não podemos estar em dois lugares ao mesmo tempo: damos testemunho de Jesus onde estamos e apoiamos aqueles que estão dando testemunho ou que vão dar em outros lugares. Portanto, toda igreja necessariamente precisa estar envolvida com o testemunho de Jesus até os confins da terra, ou seja, toda igreja precisa participar ativamente da obra missionária em todo o mundo, pois, esta é a visão e desejo de Jesus para ela. Damos graças a Deus pelo desejo da IPB de querer se envolver mais com missões.
Se pensarmos como Jesus, vamos entender que missões não é algo para um grupo da igreja, mas para todos os seus membros; não é uma programação da igreja, mas sua atividade diária; não é parte da vida igreja, mas sua vida, sua essência, sua totalidade, sua razão de existir no mundo. Cabe a nós, pastores e líderes passar para a igreja a visão missionária de Jesus para que ela pense e haja em termos mundiais e não locais. Em termos de mundo e não de cidade. Dentro dessa perspectiva, a pergunta que não quer calar é: O que a nossa igreja está fazendo efetivamente em relação a missões mundiais? Será que estou participando de alguma forma da evangelização do mundo? O que eu tenho feito para que o nome de Jesus seja pregado e conhecido em São Paulo, em Guiné-Bissau e em todos os cantos da terra? Será que tenho enxergado o mundo todo como o campo da minha atuação como testemunha de Jesus? Será que estamos dispostos a investir os nossos recursos e enviar os nossos filhos além das nossas fronteiras?
 
CONCLUSÃO:
Um casal de missionários estava se preparando para evangelizar um povo não alcançado das montanhas de um país africano. Após longa preparação e horas de caminhas para chegar às montanhas, logo se depararam com o líder da tribo que disse: “Por que vocês demoravam tanto a vir aqui para tirar o nosso povo das trevas?” Os missionários ficaram pensando: Nós não falamos para eles que viríamos aqui. Como aquele povo, muitos outros povos ao redor do mundo estão clamando para que alguém vá até eles a fim de libertá-los das trevas com a luz do evangelho de Cristo. Passa a Macedônia e ajuda-nos é clamor dos povos sem Cristo ainda hoje.  Por amor a Deus que nos salvou e por amor às pessoas sem Cristo, precisamos urgentemente fazer missões.
Aprendemos que Jesus deixou os recursos necessários para que sua igreja faça missões. Ele deixou o Espírito Santo que nos enche com o seu poder e opera eficazmente no coração dos nossos ouvintes. Ele nos deixou aqui como suas testemunhas a fim de que usemos a nossa vida, os nossos dons e recursos para mostrar o seu amor ao mundo. Ele nos deixou a sua visão missionária, isto é, ele nos deu o mundo como o nosso campo de atuação missionária. Façamos, então, o que nos cabe na obra missionária: pregar onde estamos com o auxílio do Espírito Santo e apoiar em oração e financeiramente quem está dando testemunho de Jesus onde não podemos estar. Lembre-se de uma coisa: Deus nos dá um grande desafio: a evangelização do mundo, mas também no dá um grande poder: Seu Espírito Santo. Portanto, temos tudo que precisamos para fazer missões, isto é, para cumprirmos o ide de Jesus. Que Deus nos ajude. Amém.
 
Rev.Paulo Serafim de Souza
Missionárioda APMT
Guiné-Bissau,África Ocidental. 
 

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Cursos de formação de líderes para ministérios com surdos

 
Vendo a necessidade de ampliar as ações missionárias entre os surdos, Missões Nacionais decidiu criar um curso capaz de formar líderes para o desenvolvimento eficaz de ministérios voltados a essa minoria, resultando assim em uma grande rede estratégica. Nosso alvo é incentivar leigos e vocacionados sem formação teológica para o trabalho com surdos.


MetodologiaO estudo é composto por aulas presenciais e atividades relacionadas, desenvolvidas em sala de aula e na igreja em que o aluno fará o estágio ou em que é membro, onde serão avaliados e orientados antes, durante e após a realização das tarefas. O estudo dirigido é feito através de livros-texto e apostilas com reflexões e atividades exigidas para a conclusão do curso.


Requisitos Ser um cristão comprometido;
 Estar envolvido ou desejar envolver-se com o trabalho com surdos na igreja ou em missões;
 Ter no mínimo dois anos de convertido;
 Ser recomendado pela igreja;
 Ter concluído o Nível Médio;
 Ser avaliado pela coordenação do curso.

Para maiores informações clique AQUI.
 
 

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Pergaminhos Missionários

 
 
 
Rinaldo de Mattos
 
“Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, bem como os livros e os pergaminhos” (2 Timóteo 4.13) 
 
Missionário não pode viver sem capa, sem livros e sem pergaminhos. A partir do Congresso Internacional de Evangelização Mundial de Lausanne, 74, na Suíça, através de missiólogos como Ralph Winter e outros, os evangélicos do mundo inteiro passaram a visualizar, com mais precisão, a dimensão da tarefa missionária mundial da igreja e das estratégias a serem adotadas para se alcançar pessoas de todas as línguas e culturas do mundo. Reflexões sobre o tema fizeram surgir uma nova disciplina missionária – a Missiologia. A literatura, na área, cresceu vertiginosamente e o acervo missiológico avolumou-se. Como resultado disso, vários seminários e institutos bíblicos ao redor do mundo, como também no Brasil, passaram a inserir em seus currículos, a disciplina Missiologia. Em nosso País, surgiram agências missionárias como a Missão Antioquia, a Missão Kairós, a Missão Avante, a Missão ALEM, a AMIDE, a Missão Horizontes, irmanadas às que já atuavam em nossa Pátria como a JOCUM e a Missão AMEM, entre outras, todas elas com enfoque missiológico em suas exigências quanto à formação de seus missionários. 
 
Nós, batistas brasileiros, ficamos para trás. Não são muitos (com honrosas exceções) os seminários e institutos bíblicos batistas que possuem em seus currículos a disciplina Missiologia, de forma séria. Estamos fazendo, sim, no Brasil, um trabalho evangelístico sem precedente, mas na área missionária propriamente dita, somos recrutas. Candidatos a trabalho transcultural dentro do País, estão sendo aceitos sem o devido preparo missiológico (e às vezes até mesmo sem o preparo teológico necessário). Estamos falando hoje de “treinamento de três meses para preparar missionários temporários para plantarem igrejas e prepararem lideranças autóctones entre ribeirinhos e indígenas, na Amazônia, no prazo de um a dois anos” (A Pátria Para Cristo, ano LXVI n. 252, pg 14). Nada tão distante dos conceitos missiológicos do que isso. Além do mais, nossos líderes de Missões, eles mesmos, não têm preparo missiológico, não têm experiência de campo e não são missiologicamente assessorados. Estamos trabalhando sob o conceito do antigo Evangelismo – aquele ensinado em nossos seminários para futuros pastores. Isso é muito pouco para quem quer ganhar todas as pessoas de um país multilíngue e multicultural como o nosso. Precisamos voltar a Lausanne 74. Não podemos fazer Missões sem os livros e sem os pergaminhos da Missiologia.
 
Um bom exemplo moderno de como se pratica missões transculturais dentro do Brasil, é o Projeto Amanajé, criado e liderado por Ronaldo Lidório. O projeto estará completando, neste ano de 2012, dez anos de existência e já conta com uma equipe de 43 missionários, a maioria, permanentes, trabalhando entre indígenas e ribeirinhos da Amazônia. Todos os missionários do projeto possuem curso de Missiologia e alguns também de Linguística. Não posso precisar o número, mas uma grande parte deles possui Mestrado em Missiologia. Um projeto assim merece confiança. Menos que isso, é muito pouco ou quase nada.
 
Porém, o mais cruel é que não estamos negando a nossos missionários somente os livros e os pergaminhos. Estamos negando a eles também a capa. Com um salário aquém da dignidade do obreiro (1 Timóteo 5.18) há muito missionário batista brasileiro trabalhando em nosso Pais, sem capa. Não posso falar dos missionários batistas brasileiros no Exterior porque não conheço a situação deles, mas, no Brasil, nos meus mais de cinquenta anos de vivência missionária, meus olhos já viram a situação de muitos e muitos deles e meus ouvidos já ouviram suas queixas. Nossos missionários estão clamando: - Traze-nos a capa, os livros e os pergaminhos!...
 
Acordemos a tempo, queridos irmãos, para não corrermos o risco de perder a tão preciosa visão missionária que os batistas do passado nos legaram.
 
 
 

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE A IGREJA E SUA NATUREZA MISSIONÁRIA

 
 
 
 
I. Introdução
 
A grande dificuldade que a igreja do século vinte enfrenta é, uma crise de visão. Esta crise é devido ao fato da mesma não compreender a sua finalidade como Corpo de Cristo no mundo.
 
O propósito deste trabalho é compreender e redescobrir, por meio de uma teologia bíblica de missão, a natureza missionária da igreja, para que a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, de fato possa encontrar a sua finalidade como comunidade missionária.
 
Contudo, há necessidade de se fazer uma análise de como a igreja de hoje se encontra. Em seu livro "Uma Igreja apaixonada por missões", Antônio Carlos Nasser propõe uma análise dos tipos de igrejas no processo missionário nos últimos tempos. Na verdade, são atitudes que representam e qualificam as igrejas locais quanto a visão e atuação conquanto Corpo de Cristo.
 
Um dos tipos mais freqüentes encontrado é a igreja "fantasia": Nasser introduz este ponto dizendo que elas "querem o culto que alegra, a música que balança, a pregação que faz rir, o lugar da fantasia! A fantasia faz rir, sonhar, viver num mundo em que sempre se vence". Talvez estas sejam retratadas como adeptas da Teologia da Prosperidade, um dos maiores males que tem disseminado uma visão incoerente e improcedente. Onde estão o prazer e a fantasia! E o que falar das tensões, lutas, dificuldades e temores? O que falar das tribulações por que passa a igreja neste final de século. Não podemos nos esquecer as palavras de Jesus em Mateus 10.16: "Eis que eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos..." ou em 10.28: "Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma". Há hoje em nossas igrejas locais uma pregação demasiadamente romântica quanto a vida cristã e seu compromisso com o mundo sem Cristo.
 
Outro tipo evidenciado em seu livro é a igreja megalomaníaca. Enquanto encontra-se igrejas que vivem um cristianismo fantasioso, encontramos igrejas que buscam "pompas e circunstâncias". Nunca o espírito megalomaníaco atingiu tanto as igrejas como nos dias de hoje. Este espírito corrente em nossos dias tem sido mais importante do que as pequenas e singelas coisas a serem trabalhadas. Projetos monumentais tem sido o sonho de muitos líderes religiosos. Não fala-se mais em grandes igrejas, mas sim em "mega-igrejas". A missão torna-se um fim em si mesmo e na grande maioria, projetos missionários a longo prazo são descartados, devido ao imediatismo e aos mega-projetos personalizados em seus "mega-líderes". O atender as necessidades do mundo em termos espirituais e sociais são muito mais importantes do que mega-ministérios. No orçamento destas igrejas missões nem entra. Grandes templos, grandes perspectivas, grandes poderios eclesiásticos nunca representarão um compromisso com o Reino de Deus. A preocupação exagerada com o local pode nos fazer esquecer a pregação a todas as nações.
 
A igreja social é um terceiro tipo. Ao mesmo momento que se detecta as mega-igrejas, Nasser enfatiza um outro lado extremo de nossas igrejas onde encontram-se também as que estão reduzindo a ação da igreja ao trabalho puramente social. Na sua grande maioria estas igrejas procedem dos movimentos de secularização e humanização que se originaram neste século. Embora estas comunidades transformem o povo num grupo de trabalho em prol da vida, o fazem apenas no aspecto que se refere a vida terrena, sem nenhum resultado espiritual missionário. Outro problema gerado por estas igrejas é a sociabilidade desconectada de um profundo senso de comunhão. Sem este aspecto, estas igrejas transformam a vida cristã em uma sociedade filantrópica ou clubes que congregam pessoas sem uma integração no discipulado dinâmico do Senhor Jesus.
 
Além destas encontra-se também a igreja tecnocrata. O autor assevera que as referidas igrejas são geradas pelo pragmatismo destas duas últimas décadas. Supervalorizam os métodos em detrimento do conteúdo. Estas igrejas estão preocupadas com o que é funcional. Igrejas que deixaram de exercer sua finalidade através de sua natureza missionária para se tornarem igrejas-evento. O programa é o ponto alto da vida da igreja. Além disso, suas técnicas vão desde as folclóricas "correntes" até técnicas como "seja feliz em 10 passos" ou a "corrente dos 7 dias". Pacotes que trazem a Salvação. Pacotes que resolvem tudo.
 
Encontra-se também igrejas desafiadas, mas independentes: Estas, como afirma Nasser, não necessitam de parcerias para fazer a obra evangélica, elas encontraram-se em um caminho quase que "pioneiro" ou porque não dizer "livre". Se isolaram e resolveram trabalhar sozinhas, sem denominação, sem laços eclesiásticos, sem qualquer ligação estrutural eclesiástica. O que transparece é o espírito de um messianismo eclesiástico, daquele pensamento egocêntrico e jactancioso: "eleita" por Deus para estar na vanguarda da missão.
 
Este retrato, que Nasser expõe, é um complexo de características que se evidencia dentro e fora das igrejas evangélicas brasileiras neste final de século no Brasil e no mundo. Esta situação é tão perigosa para a igreja atual, que o grande problema é a ausência de uma concepção clara, aberta e bíblica acerca da verdadeira natureza missionária da igreja. O grande desafio para a igreja de Cristo neste final de século é a redescoberta de sua natureza missionária. A igreja mais do que nunca deve voltar seus olhos para dentro de si e através da Palavra encontrar-se com a sua verdadeira essência, isto é, o ser uma igreja voltada para o mundo.
 
II. A Eclesiologia e sua relação com a Missão da igreja
 
Um dos livros mais desafiadores para o estudo da eclesiologia missionária atualmente, em português é "Povo missionário, povo de Deus", de Charles van Engen. Nele, o autor introduz o primeiro capítulo, relacionando a concepção de missão com a necessidade dos seus líderes atuais se convencerem de uma "visão da igreja em seu âmbito local". Para que igrejas redescubram sua natureza missionária é necessário que tenham uma visão correta acerca de seu papel como comunidade. Van Engen, defende o ponto de vista de que há uma íntima relação da igreja com o reino vindouro. Esta visão só é possível se olharmos como Jesus comparou o Reino de Deus em Mt 13.31-33: "O reino dos céus é semelhante a um grão de mostarda, que um homem tomou e plantou no seu campo, o qual é na verdade a menor de todas as hortaliças, e se faz árvore, de modo que as aves de céu vem aninhar-se nos seus ramos". Assim é a igreja. O grão de mostarda não se transforma em árvore até que seja plantado. Não importa o que ela é agora, e sim o que ela virá a ser! Diz o autor: "A maturidade de amanhã começa com a imaturidade de hoje".
 
É importante notar que a transição da imaturidade para a maturidade, passa necessariamente pelo caminho da aprendizagem, do treinamento, do aperfeiçoamento, para o desempenho de um serviço. Efésios 4.12 é muito claro quando afirma que os dons e ministérios no Corpo de Cristo são "para o aperfeiçoamento dos santos, para o desempenho do seu serviço, para a edificação do Corpo de Cristo". Isto significa que não há maturidade sem este tripé: aperfeiçoamento, desempenho e edificação.
 
Para que a igreja local se compreenda como uma comunidade missionária, é necessário que ela compreenda a relação entre Missão e Igreja.
 
A definição de Igreja, revela uma série de conceitos e características. O original grego ekklesia, refere-se a uma assembléia dos cidadãos de uma localidade, e além disso, no Novo Testamento a palavra igreja possui dois sentidos. Um é universal significando todos os crentes de todas as épocas e de todos os lugares. O outro significa um grupo de crentes em dada localidade geográfica. O termo igreja é melhor conceituado por Van Engen que diz: "A Igreja é a comunidade una, santa, universal, e apostólica dos discípulos de Jesus Cristo, reunidos de todas as famílias da terra, em torno da Palavra, do Sacramento, e do Testemunho comum." Muito mais do que uma aglomeração de pessoas, a igreja é uma comunidade, formada por um grupo de pessoas que nutre um relacionamento pessoal, onde há por assim dizer, "intimidade" entre seus membros. Mas também, além disso, do ponto de vista divino, ela revela atributos distintos como unidade, santidade, universalidade e apostolicidade.
 
Van Engen ainda afirma: "A igreja só pode achar a sua mais plena expressão para com o mundo se viver a sua natureza como povo missionário", isto significa que não podemos separar o fato de ser da igreja e a sua natureza missionária. Então não há como entendermos uma igreja que possua as marcas da igreja de Jesus Cristo sem seu propósito maior que é sua missão. Embora sendo una, santa, universal, e apostólica, embora reunida de todas as famílias da terra, em torno da Palavra e do sacramento a igreja também manifesta naturalmente o seu testemunho ao mundo. Não que este fim seja puramente um tipo de "fruto", mas além de ser fruto de fato, este existe como parte integral de sua essência.
 
Este testemunho, é a própria missão da igreja. Stephen Neill, afirma que Missão é "a transposição intencional de barreiras, partindo-se da Igreja em direção a não-igreja, em gestos e palavras, por amor à proclamação do evangelho". Por causa de sua apostolicidade, a igreja manifesta a sua missão transpondo intencionalmente barreiras. Não pode-se negar que a promessa à Abraão, tem seu cumprimento pleno na vida natural da igreja. Quando a igreja missiona, ela o faz naturalmente voltando seus olhos para o mundo, transpondo todas as barreiras sejam elas sociais, culturais, lingüisticas, políticas, geográficas, étnicas e familiares. Mas Neill ainda assevera que esta transposição é intencional. Isto significa que a evidência da missão da igreja não é simplesmente por acaso, mas a congregação missionária quando desfruta de sua natureza plena, entende sua identidade e ao fazer isto, cria processos e meios para interagir conscientemente em seu contexto.
 
Além disso, Neill define a missão dando direcionamento à mesma. A sua afirmação de partindo-se da Igreja para a não-igreja, por meio de gestos e palavras. Esta direção evoca o princípio de João 20.21: "Assim como o pai me enviou, eu também vos envio". A missão denota o princípio da encarnação.
 
A partir disso, vemos a necessidade de levantar alguns questionamentos. A grande maioria de cristãos entendem "igreja" e "missão" como sendo dois tipos diferentes de sociedade. Uma é tida como a sociedade dedicada a adoração e ao cuidado espiritual e nutricional dos membros. A outra à propagação do evangelho, repassando seus convertidos para a custódia segura da "igreja".
 
A visão normal dos fatos é distinguir a Igreja como uma comunidade institucionalizada, já instalada em dependências seguras a qual tende a ser dirigida por líderes sustentados por ela. Na sua grande maioria, é uma sociedade que se auto preserva e possui uma política bem definida. Enquanto isto, a Missão é vista como uma comunidade mais individualizada, com poucas ou condições menores, liderada por voluntários, e enquanto a igreja está mais refugiada do mundo, a Missão está situada no lugar de risco, em meio ao mundo.
 
Para que a Igreja redescubra a sua natureza missionária é necessário que a mesma venha a se convencer de que se há algo inerente a ela, ou que esteja latente dentro de si mesma, esta é a sua Missão. Johannes Blauw afirma: "Quem quer que tenha visto a Cristo não pode deixar de ver o mundo, e quem quer que veja o mundo também vê o mapa do mundo". Isto é, não há como participarmos da comunhão, da bênção de Cristo sem um desembocar em serviço ao mundo, através de um conhecimento detalhado e pormenorizado acerca da necessidade deste.
 
Não podemos negar, pois "a missão, diz Thomas Torrence, pertence à natureza da Igreja". Van Engen cita Newbigin : "A Igreja que cessou de ser missão perdeu o caráter essencial de Igreja. Assim, devemos afirmar que a missão que não seja ao mesmo tempo Igreja, realmente não é a verdadeira manifestação do apostolado divino. A missão não-eclesiástica é tão monstruosa quanto a igreja não-missionária". Se a comunidade dos santos não compreender esta aglutinação do caráter missionário e eclesiológico, na verdade ela perderá a sua natureza, assim como o sal pode perder a sua salinidade.
 
Alguns fatores concorrem para que a igreja perca de vista a sua natureza missionária. O primeiro fator que leva a igreja a perder sua natureza missionária, é o falso ensino a respeito da igreja e sua missão. O final do século XX vê um número excessivo de igrejas evangélicas especialmente brasileiras fazendo e falando de missões, mas nem sempre encontra-se a missão como que brotando naturalmente do seio da igreja local. Há uma tendência de se departamentalizar a missão, colocando-a como um "departamento" , "sociedade" ou até um novo tipo de "ministério". A tendência é se criar e se estabelecer a missão como um dos eventos de uma igreja local como existem a diaconia, o louvor, e outros tantos "ministérios". Outro fator para a falta de discernimento da natureza missionária da igreja é o avanço do marketing eclesiástico. Este tipo de "marketing" é em tese, resultado dos vários modelos experimentados pelas igrejas no que se refere ao Movimento de Crescimento de Igreja que começou com Donald McGravan, e tomou vulto com Peter Wagner. Os teólogos e pastores da América do Norte e do Sul absorveram seus princípios e partindo dos chamados "grupos homogêneos", tem transformado as suas igrejas em pequenos "Jardins do Éden" aqui na terra. Seus princípios bíblicos são questionáveis, seus conceitos adquiridos e fundamentados na Filosofia de Marketing, onde estão em voga palavras como "produto", "consumo", "público alvo" e outros. O que é de impressionar é que, embora haja uma exaustiva evangelização marketeira, a maioria destas igrejas não estão nem um pouco preocupadas com outro tipo de missão, por exemplo, a transcultural estrangeira. Para elas basta um grupo específico de pessoas para que a igreja local se veja cumprindo a Grande Comissão. Esta situação torna a congregação uma "cápsula", onde poucos podem entrar e fazer parte dela. A natureza missionária está abafada ou quase nem existe, neste caso.
 
Para que se possa construir comunidades missionárias no mundo, é necessário uma avaliação sobre a relação entre Igreja e Missão. Emil Brunner assevera com muita propriedade que "A igreja existe por causa da missão, assim como o fogo existe enquanto queima". Não há como negar que o fogo existe enquanto houver chama. A missão só se torna realidade por causa da existência da igreja.
 
O fato é que nem sempre a igreja expressa a Missio Dei de forma plena. Esta situação é devido à sua visão acerca da Missio Eclesiarum. Nem sempre a Missio Eclesiarum corresponde à Missio Dei. O Conselho Missionário Internacional reunido na Alemanha em 1952, afirmou categoricamente: "Não há participação em Cristo sem a participação em sua missão ao mundo. Aquilo por que a Igreja recebe a sua existência, é aquilo por que também recebe a sua missão mundial". E Johannes Blauw asseverou: "Não há outra igreja a não ser a igreja enviada ao mundo, e não há outra missão, a não ser a da Igreja de Cristo". Mas como avaliar e conjugar a natureza da igreja com sua missão, uma vez que durante a história da igreja, ela mesma teve grandes dificuldades para entender a sua essência.
 
III. A Igreja e a sua relação com sua essência missionária na história
 
A igreja dos primeiros séculos comprometida com o testemunho pessoal, sempre deixou claro que a mesma fora chamada para proclamar o kerygma ao mundo. Houve então, necessidade desta se relacionar com sua natureza afirmando e referendando o uso de "figuras" ou "imagens" sobre a igreja. A finalidade destas figuras era descrever e estimular a relação entre a congregação e a natureza da igreja. O povo de Deus se via como corpo, comunidade, servos, família, edifício ou noiva do cordeiro.
 
Já na época de Agostinho a igreja experimentou suas críticas e questionamentos. As questões essenciais acerca da igreja são tratadas em seu livro "A Cidade de Deus". Nele, Agostinho expõe além de outras coisas, o compromisso da igreja com o mundo. Analisando a relação Estado-Igreja, Agostinho afirmava que a "igreja visível e hierarquicamente organizada é a Cidade de Deus a qual deve, cada vez mais, governar o mundo" . Seu princípio era, neste caso estimular a igreja a que fosse a governanta de Deus sobre a face da terra. Mas esta idéia acabou por ser menosprezada quando no Concílio de Trento a igreja identificou-se com a expressão fiel do reino de Deus na terra em que os seus atributos deveriam ser identificados com a "Santa Sé".
 
Mas foi na época da Reforma Protestante que a Igreja se preocupou com uma melhor definição. A partir dos reformadores que se cuidou de corrigir a visão deturpada da Igreja Romana através das suas "marcas".
 
A Confissão Belga expõe claramente a respeito das marcas da igreja as quais identifica a verdadeira igreja. Se nela a pura doutrina do evangelho for pregada, se ela conservar a ministração pura dos sacramentos e também se nela a disciplina da igreja for exercitada.
 
Os atributos da igreja então foram evidenciados e enaltecidos. Se resgatava a visão de uma igreja como discípulos de Cristo, através de sua unidade, santidade e catolicidade. Para tanto, uma vez que não podemos desvincular os atributos da igreja de sua natureza missionária, compreendemos suas qualidades conjugadas à missão do povo de Deus.
 
Unidade: A missão da igreja é missão em unidade.
 
A visão do Corpo de Cristo está inteiramente relacionada com a missão da igreja. Isto por que, quando se trata deste primeiro atributo, se evidencia a igreja como organismo funcional que ao esforçar-se pela sua unidade espiritual, ela se projeta no mundo como corpo de Cristo, jamais dividido ou fragmentado. É bom lembrar que Paulo afirma a unidade tanto em seu sentido ideal como no sentido real. Em Efésios 4. 1-7, vê-se a afirmação de que, embora haja um só Senhor, uma só fé, um só batismo, há também a necessidade do povo de Deus esforçar-se por manter a unidade do Espírito no vínculo da paz. A missão da igreja somente terá resultados práticos e duradouros, de maneira que ela glorificará a Deus, se esta unidade como atributo inerente da igreja for preservada.
 
Esta visão de unidade, está expresso nas palavras de Jesus ao dizer em João 13.34,35: "Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns para com os outros". O fato de se nutrir o amor ágape no seio da igreja, levará certamente a comunidade a refletir sua unidade ao mundo. Logo, este estilo de vida gerará missão ao mundo. Paulo ao afirmar a necessidade de unanimidade aos Filipenses, ele também liga o amor fraternal ao propósito pelo qual a igreja vive, que é a sua missão. Van Engen, expõe com propriedade este conceito quando fala sobre a finalidade da igreja local em seu livro "Povo Missionário, Povo de Deus". É o corpo de Cristo que desempenhou a Grande Comissão no início da igreja (Mt 28.19-20). É o corpo que cresce (Ef 4.13,15,16) e porque cresce, através de seus dons ao mundo, o faz de maneira que causa impacto na sociedade manifestando a sua unidade.
 
Santidade: A missão da igreja é missão em santidade.
 
A santidade é algo que recebemos pela fé, como Corpo de Cristo. Em Efésios 1.1-14, podemos ver ordenadas aqui as bênçãos que recebemos da Trindade. O apóstolo Paulo, com muita clareza afirma que os crentes são igualmente santificados pela presença e ação da trindade.
 
Uma vez escolhidos e predestinados pelo Pai, os crentes são santificados e adotados em Cristo Jesus. A ação da trindade também é vista como executada pelo Filho. Nele os crentes são redimidos, perdoados, unidos com Cristo, e são reconhecidos como co-herdeiros com Ele. E é pelo selo do Espírito Santo que após a manifestação de fé, a Trindade Santa garante toda a extensão e profundidade do plano de Deus. Os crentes então são selados e recebem o batismo do Espírito Santo. Deste modo, o Corpo de Cristo é encontrado em Santidade em seu aspecto invisível. Enquanto Igreja de Cristo, a comunidade dos discípulos é Santa, uma vez que recebe a presença de Cristo em seu seio, pela fé. Contudo, o Corpo ainda é pecador, convive com a realidade do mundo e muitas vezes deixa-se ser envolvido por ele. Ao analisar Efésios 4.17 a 5.21, o apóstolo identifica a igreja com a realidade exposta do mundo e reafirma, conquanto no mundo, que as práticas humanas provenientes do velho homem devem ser modificadas.
 
Isto significa dizer que o Corpo de Cristo deve manifestar e exercer a santidade nas situações cotidianas da vida igreja. Isto, na verdade, expressará não somente uma realidade escatológica, uma vez buscado pela igreja, mas refletirá a presença de Cristo entre os seus discípulos. Mesmo reconhecida como "nação santa", como expressa I Pedro 2.9, esta mesma comunidade deve, para que a proclamação e missão seja eficiente, ser santa de maneira prática. É nesta santidade que o marido não domina a esposa, mas a ama. É nesta santidade, que os filhos não se rebelam contra seus pais, mas retribuem o amor deles através da obediência. A santidade da igreja também é expressada não apenas na vida prática dos relacionamentos, mas também nos valores que a mesma expressa para com o mundo.
 
Portanto, a missão sempre dependerá do testemunho da igreja, pela expressão de vida em santidade da mesma. É por meio do resplandecer da luz, que o mundo verá as boas obras e glorificará ao Pai que está nos céus. (Mt 5.16)
 
c. Catolicidade: A missão da igreja é missão para todos.
 
O fato de ser católica é o terceiro passo para a missão da igreja. A igreja que é una e santa, também é universal por ser instrumento de Deus para realizar no mundo o que a trindade planejou, executou e aplicou. Por isto, Paulo em Efésios chama a igreja de corpo e a plenitude daquele que a tudo enche em todas as coisas. A igreja realiza a sua missão como instrumento mundial e universal.
 
A priori, "não podemos conhecer a Igreja, senão conhecermos o Cabeça dela pois a igreja encontra vida, natureza e missão na pessoa de Jesus Cristo", expressa Van Engen.
 
A igreja é vista como Corpo de Cristo (swma tou cristou), porque de fato se origina em Jesus e existe como corpo dele. Afora Jesus, afirma Karl Barth, não há nenhum outro princípio para constituir, organizar e garantir a existência e manutenção desse corpo.
 
Aceitamos a universalidade da Igreja porque a reconhecemos como uma manifestação da intenção universal de Deus em Cristo. Ao escolher um povo, Deus tinha por finalidade alcançar o mundo todo.
 
Por ser para todas as pessoas, talvez a igreja nunca deixe de convocar, de atrair todos a Cristo. O lugar da igreja é nas ruas e nas estradas como portadora de um convite especial. É chamada de embaixadora, aquela que leva a mensagem de reconciliação ao mundo. Devido a abrangência do sacrifício de Cristo, assim será a abrangência da missão da igreja, isto é ao mundo todo (II Co 5.19-21).
 
A visão da igreja deve ser mundial e não apenas local, regional e nacional. Deve ser uma igreja para todos os povos e não produto localizado, minimizado a um único povo, sociedade ou região.
 
V. Conceitos que afirmam a finalidade da igreja local como manifestação de sua apostolicidade
 
Além de compreendermos que a unidade (unificação), a santidade (santificação), a catolicidade (reconciliação) e a apostolicidade (proclamação) pertencem a natureza missionária da igreja, encontramos alguns outros conceitos para entendermos ser finalidade da igreja:
 
A existência para o mundo.
 
Dietrich Bonhöffer afirma: "A igreja só é igreja quando existe para os outros". De maneira muito clara, a idéia de ser igreja passa essencialmente pela sua manifestação física e palpável neste mundo. A igreja existe para o mundo quando se torna evidentemente o corpo de Cristo, e ao mundo ela é enviada como serva. Servo é a característica natural daquele que faz parte do Corpo, pois não poderá negar a sua natureza que é servir ao mundo. É na sua apostolicidade, que embora resgatados do mundo, os discípulos retornam ao mundo para proclamar a palavra de Cristo. Esta volta ao mundo reflete que é impossível ser igreja, sem estar no mundo. É na encarnação, que vemos o maior ideal da igreja. Quando a igreja se humilha, se contextualiza, convive com os pecadores, fala seu linguajar, ela manifesta a sua essência. Não há igreja sem a sua encarnação no mundo (Jo 20.21). O fato de ser apostólica, evidencia a razão de ser como uma atividade de doação de vida pelos que não a tem. É no dar-se ao mundo que a igreja manifesta o verdadeiro sentido de ser enviado a ele (Jo 15.13). Portanto é impossível a igreja manifestar-se como Corpo de Cristo sem expressar o seu valor intrínseco de "perder a vida para ganhá-la". É no perder da vida que a igreja expressa sua apostolicidade e seu compromisso com o mundo (Mt 10.39).
 
Por isso Moltmmann expressa com muita ênfase: "As igrejas missionárias, não se desviam para o isolamento social, mas se tornam uma esperança viva em meio às pessoas". É no meio do mundo, da sociedade, como fator de resposta aos anseios espirituais, emocionais, psicológicos, físicos e políticos, que a comunidade dos discípulos de Cristo, expressa sua finalidade missionária, isto é, existir para o mundo.
 
A característica da igreja de existir para o mundo não é facultativa; faz parte da existência da igreja. Isto é, não há igreja se não houver compromisso com pecadores. A igreja que não focaliza os pecadores, que não desemboca numa atitude permanente de doação e renúncia, pode ser um grupo religioso mas nunca será de fato o Corpo de Cristo em sua expressão exata e palpável neste mundo.
 
O primeiro fator para sua manifestação ao mundo é que a Igreja existe para o mundo quando, porque ela manifesta o fato de Ter sido "enviada". "O discipulado deve ser "discipulado em movimento-para-o-mundo . Charles Van Engen assevera: "O discípulo que não sacrificar a própria vida pelo mundo e pelo evangelho da reconciliação não é digno de ser seguidor de Jesus Cristo" O segundo fator para seu compromisso com o mundo é que a existência da igreja para o mundo relaciona-se com a sua universalidade. A existência da igreja é tão ampla quanto ao grau de abrangência do reino, que compreende o senhorio de Cristo.
 
2- A identificação com o desfavorecido.
 
O segundo conceito para entendermos a finalidade missionária da igreja é o que pode ser chamado a "identificação com o desfavorecido. Van Engen afirma: "...a igreja como ocorreu em qualquer outra época, tem a mesma dívida para com os pobres e oprimidos e a mesma responsabilidade pelo estado do mundo". Ao caminharmos sobre a história bíblica, vemos muito enfaticamente que Deus, através de Israel no Velho Testamento e da Igreja no Novo Testamento, está interessado em que seu povo cuidasse dos desfavorecidos, oprimidos, viúvas e órfãos.
 
O texto de Isaias 58, profetizava que o jejum que agradava a Deus passava pela responsabilidade social. Deus não se agradava com a vida dos israelitas antes do exílio, quando os muitos sacrifícios no templo eram usados para se evitar a ajuda aos pobres, aos oprimidos e aos necessitados. O compromisso e a identificação com os marginalizados socialmente, levanta de fato a questão da igreja e sua responsabilidade social.
 
Em Atos 6, as viúvas estavam sendo esquecidas e a igreja agiu, suprindo as necessidades das mesmas. Isto demonstra que mesmo uma igreja cheia do Espírito Santo, batizada por Ele e dirigida por Ele pode chegar a se esquecer de tratar todos com respeito e valorização.
 
Já em Tiago 1.27, o escritor reage radicalmente contra os que apenas se diziam cristãos e não exerciam qualquer compromisso social. Aqui Tiago reafirma que a demonstração da verdadeira religião passa pela identificação com os menos favorecidos.
 
De uma maneira muito inteligente e cheio de autoridade David Barret responde que os cristãos de hoje são os maiores responsáveis pela desgraça do mundo. Diz ele: "Em grande parte, a porção que os cristãos compartilham de dinheiro, saúde, propriedades e bens materiais poderia resolver a maioria dos problemas do mundo, dentre os quais a fome, a pobreza, as doenças, o desemprego, a falta de saneamento e assim por diante. Por esta causa em certo sentido os cristãos são culpados pela persistência do atual estado de coisas"
 
 
A ação apostólica ou o envio
 
Este conceito acerca da finalidade missionária da igreja, enfatiza o primeiro princípio da missão que é a "encarnação". Esta ação começa em João 1, quando vemos que a própria encarnação foi o primeiro envio. Apesar de as trevas não receberem a luz, isto não tornaria invalidado o envio e a difusão da luz.
 
Quando se fala em ação apostólica, fala-se de uma igreja dinâmica que não pode se fechar ou enclausurar em si mesma. A igreja torna-se missão ao seguir o Senhor como comunidade apostólica em movimento dinâmico constante, anunciando o evangelho do reino da luz em meio às trevas. Não há como negar que a missão, como ser integrante da natureza da igreja é uma missão dinâmica, isto sugere a sua missão "centrípeta" e direcionada ao mundo. Charles Van Engen comenta o desprezo que a igreja cristã tem dado ao ministério apostólico e chega a sugerir uma reavaliação do que seja igreja hoje. Ele afirma: "Missionários e pastores não tem dado o devido peso a esta ação apostólica, ou missão. Muitas vezes a missão é relegada a uma daquelas sonhadas categorias a que esperamos chegar algum dia em nosso ministério... enquanto isto, congregações muitas vezes relegam a "missão" à categoria de resto, dando prioridade às necessidades internas da congregação e dos membros. A Missão chama-nos a um re-exame radical. Se ela faz parte da essência da natureza da igreja como corpo de Cristo e povo de Deus, então deve ser a primeira da lista"
 
V. A finalidade Missionária da Igreja Local.
 
Se já conseguimos definir o que é igreja e o que é missão e reconhecemos que não há condições de uma não ser sem a outra, temos que, apoiados na definição de seus atributos, definir objetivamente a sua finalidade, isto é: PARA QUE ELA EXISTE NO MUNDO?
 
De fato, necessita-se definir sua finalidade com isto buscar resultados práticos ao que se refere ao seu âmbito de congregação local, regional ou nacional. Há também que se definir princípios para igrejas no âmbito transcultural ou internacional.
 
Edward Dayton promove um questionamento acerca do papel que a igreja deveria exercer segundo os princípios bíblicos. Ele afirma: "Fique claro que nossa preocupação é com a definição do que a igreja deveria ser, sua natureza e finalidade essenciais, e não uma descrição do que ela é agora, ou senão o que tem sido na história da Igreja ou mesmo no NT. A igreja deveria ser o que Deus quer que seja, e buscamos nas Escrituras descobrir os desígnios de Deus para ela".
 
A grande necessidade e por que não dizer hoje é redescobrir a igreja como comunidade, corpo de Cristo e não apenas como instituição. Talvez o grande pecado atualmente é a maneira como vemos a igreja. O segredo para torná-la "mais igreja" passa pela necessidade de enxergar a igreja mais como povo de Deus e não como um empreendimento.
 
Charles Van Engen propõe o estudo e uso de quatro palavras essenciais, para que a igreja não venha a sucumbir. Isto é, para que a igreja se enxergue como a comunidade missionária, ela necessita manifestar quatro atitudes que provêm de quatro visões.
 
1. Koinonia
 
A Koinonia é o grande vínculo que une os cristãos. Ao mesmo tempo que a comunidade dos discípulos de Cristo nutrem o amor fraternal, estes manifestam o novo mandamento que também é antigo. O que Cristo declara em João 13.34,35 é a chave para a missão da igreja: "Novo mandamento vos dou: que vos amei uns aos outros, assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros."
 
Quando interpelado sobre o maior de todos os mandamentos, Jesus resume no amor o verdadeiro estilo de vida daqueles que de fato expressavam a verdadeira fé. Jesus, portanto sintetiza toda a Lei em apenas dois versículos que denotam o intenso e sincero amor a Deus e consequentemente o amor ao próximo. (Mc 12.29-31)
 
Mas é interessante notar que, Jesus relaciona o amor promovido pela "koinonia" como fator preponderante para que a igreja cumpra sua finalidade missionária. "Nisto conhecerão todos", expressa a funcionalidade e a finalidade pelo qual se ama, se relaciona: a missão a todos.
 
É interessante ainda ressaltar que o fato da igreja expressar a sua koinonia, ao mesmo tempo, a comunidade refletirá o amor relacional da própria Trindade. Charles Barrett afirma com muita propriedade que o amor "corresponde ao mandamento que regula a relação entre Jesus e o Pai" Isto sugere que a Missão da Igreja está relacionada com o amor quando a mesma alimenta-se e relaciona-se entre seus membros com o mesmo amor expresso pela Trindade Santíssima. Charles Van Engen completa: "O amor dos discípulos uns pelos outros não é meramente edificante, mas revela o Pai e o Filho".
 
Amor neste caso não é meramente um sentimentalismo provocado pela emoção, mas sim um tipo de ação que o Pai e o Filho assumiram para si por amor ao mundo. A verdadeira koinonia expressada pela igreja tem uma desembocadura num mundo que, contemplando este amor relacional, recebe a mensagem missionária. Se a igreja não for comunidade de amor, a Palavra e o sacramento são um esforço em vão.
 
O grande problema é que pode-se encontrar comunidades vivendo a mesma situação da igreja de Éfeso no final do primeiro século: "Tenho porém contra ti que abandonaste o teu primeiro amor" (Apoc.2.4). A igreja ativista, mais comprometida com o fazer do que com o amar pode seguramente manifestar apenas um amor superficial. Isto jamais evidenciará o compromisso com o mundo.
 
Segundo Peter Wagner, a Koinonia pode tornar-se uma Koinonite. Isto é, quando se perde a finalidade para a qual a comunhão existe, o amor deixa de ser saudável para ser doentio. As atividades e as relações da Igreja tornam-se centrípetas isto é, voltadas para dentro, para si mesma.
 
2. Kerygma
 
Kerygma, traz em seu bojo, a mensagem: "Jesus é Senhor" ( Rm 10.9; 1 Co 12.3). Esta verdade é a própria proclamação da igreja. Quando se pensa em comunidade, a própria comunhão da Koinonia, envolve uma proclamação (kerigma) do Senhorio de Jesus. O senhorio de Cristo impulsiona a Igreja para fora na proclamação do evangelho ao mundo. Cristo como Senhor, não é apenas Senhor da Igreja e do crente, mas este senhorio traz proporções universais. A ênfase de Efésios 1.10, demonstra que Jesus não é apenas Senhor de fato, mas também de direito. É na convergência em Cristo de todas as coisas, tanto as do céu como as da terra, que se clarifica e referende-se o Senhorio de Cristo. Como Harry Boer afirma: " Há um elo entre o ensino neo-testamentário do senhorio de Cristo e o propósito universal de Deus. O senhorio de Cristo não é apenas um senhorio na Igreja e sobre o indivíduo que crê, mas sim senhorio com proporções cósmicas e universais".
 
A Confissão kerigmática "Jesus é o Senhor" obrigatoriamente implica movimento para fora, em direção ao mundo, às nações. Não há como manter a mensagem salvífica e soberana em uma redoma de vidro. Não há como não manifestar o Seu Senhorio, pois mesmo que a igreja se cale, como se calou, as pedras acabaram falando em alta voz. A verdade é que mais uma vez emudecer a proclamação do Senhorio de Cristo, é deixar de manifestar a natureza missionária da igreja. Pode acontecer que nem sempre a Missio Eclesiarum seja a de fato a Missio Dei. Não se pode confessar que Jesus é o Senhor sem, ao mesmo tempo proclamar o seu senhorio sobre todos. Portanto, Jesus é Senhor é a marca da Igreja missionária (Fp 2.9-11).
 
Van Engen complementa: "Jesus é Senhor de todas as pessoas, de toda a criação e da igreja. Ele envia seu povo para um encontro radical com o mundo. Isso faz nascer uma necessidade e uma energia que impelem a igreja para a frente, em seu amor que brota para fora por meio da confissão para chegar à ação ou seja à Diaconia"
 
3. Diaconia
 
Uma das áreas da igreja mais esquecida é a Diaconia. A igreja somente manifesta sua natureza missionária quando de fato execre uma função diaconal para com o mundo.
 
Jesus, quando fala sobre o julgamento final, põe em cheque a função diaconal de seus discípulos. O fato principal não é o quanto fizeram, mas o quanto não fizeram. "...porque tive fome e não me destes de comer, tive sede e não me destes de beber, sendo forasteiro e não me hospedastes, estando nu e não me vestistes, achando-me enfermo e preso não fostes ver me" (Mt 25.43,44). A experiência de conhecer a Jesus, significa envolver-se com os outros nas suas calamidades, nas suas tragédias, em seus problemas, com uma palavra de esperança e atitudes que minimizem a dor da fome, da sede, da solidão, das instabilidades temporais, na solidariedade na enfermidade e da angústia . A igreja quando prega o Kerygma, mas se esquece da prática diaconal, ela vive um pseudo evangelho, e porque não dizer, uma vida cristã hipócrita.
 
Não que Jesus faça uma "opção pelo pobres", mas não há como negar que "pequeninos" é a condição de todos aqueles que estão sofrendo, sejam eles ricos ou pobres, brancos ou negros. Além do mais a igreja é aquela que tomará a sua cruz e morrerá para o mundo. Podemos Ter duas visões deste fato. Primeiro a Igreja morre para o mundo que rejeita seus princípios de vida, mas em segundo lugar a igreja morre para o mundo quando serve abnegadamente ao mundo, deixando-se degastar por ele. Acredito que esta é a base pela qual Jesus se coloca como servo, quando o mesmo diz: "O servo não está acima de seu Senhor" (Mt 10.24; Jo 13.16; 15.20). Logo as experiências do discípulo serão as experiências de seu mestre. Quando Jesus sendo Senhor e Mestre prova sua finalidade em estar no mundo, a igreja é o meio pelo qual ele continuará a realizar sua atividade diaconal.(Mt 10.18; Jo 13.16)
 
A postura da igreja no mundo não é ser servida pelo mundo, mas sim servir ao mundo na perspectiva de serva, isto é aquela que leva ao mundo a possibilidade de uma restauração não somente espiritual mas também física e material. Mas este serviço necessita ser realizado com a humildade de Cristo (Jo15.20).
 
A última parte de Mt 25.31-36 , trata da diaconia mas enfatiza-a na perspectiva de uma prestação de contas dos mordomos. A verdade é que esta figura de julgamento tem a ver muito mais com a omissão da igreja com respeito ao trabalho diaconal do que com a evangelização propriamente dita.
 
Quando analisamos a visão diaconal da Igreja Primitiva, vemos que não havia uma departamentalização missão, mas tudo era missão. Desde o distribuir pão aos necessitados como viver em comunhão, como também pregar o kerygma.(At 2.42-47; At 4.32-5,1;At 6.1-7; At 9.36-42). Nas palavra de Van Engen, o ministério da diaconia são as mãos e os braços da igreja. Esta é a verdadeira comunidade de amor. Do amor que prega que faz sem esperar nada em troca. É a verdadeira religião pregada por Tiago (Tg 1,27). O fato de a igreja se manifestar diaconalmente expõe claramente que em sua natureza ela irá revelar o quanto ama a Deus. É na dedicação às pessoas que a igreja de fato revela seu profundo amor para com Deus.
 
Van Engen afirma que "diaconia não é simplesmente uma coisa boa, é a natureza fundamental da igreja cristã. Ministrar a todos os necessitados de todos os lugares (At 1.8). Quando a igreja missionária de Deus deixa de lado o ministério diaconal, algo de sua natureza missionária deixa de brotar". Van Engen
 
4. Martiria
 
A palavra testemunho tem a ver com a proclamação aberta e convicta da igreja. Sem esta característica a igreja está parcialmente viva. Martiria tem a ver com a justiça e a Ética da igreja que é comprovada pela vida. Conquanto tenhamos que pregar o Kerygma, a Escritura nos desafia a provarmos isto com a vida. Martiria traz em seu bojo todo relacionamento que Israel mantinha com Deus. (Is 43.10,12; 44.8) e também expõe a necessidade de testemunhar ao mundo, através da vida, mesmo que isto tenha que incorrer em morte. (At 1.8) Mas Martiria também é uma conclamação à reconciliação (2 Co 5.20).
 
A igreja é comunidade de testemunhas. Testemunhas que se manifestam em favor da vida, da justiça de Deus. Não apenas testemunhas oculares de fatos, mas de fatos não vistos mas que são cridos (I Ts 1.10). Em alguns aspectos martiria também tem um sentido de falar até a morte.
 
"As pessoas que não conhecem a Jesus devem conhecê-lo na presença, proclamação e nos atos e palavras persuasivas da Igreja". Na verdade, Ser testemunha vem denunciar o compromisso que a igreja tem com Cristo não somente na vida mas também na morte.
 
 
VI. Conclusão
 
Concluindo somos levados a ver a missão como algo estreitamente relacionado com o fato de ser da igreja. Não há como desvincularmos uma coisa de outra. A missão pertence de fato à natureza da igreja. Algumas aplicações devem ser feitas ao término deste trabalho. Primeiro, devemos tentar responder "quem somos nós". Isto é, qual a nossa identidade como verdadeira igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo? A igreja somente manifestará sua genuína identidade quando expressar a seu envolvimento com o mundo de forma aberta e clara como Cristo fez. É na identificação e envolvimento com Jesus de Nazaré, que a comunidade dos discípulos de Cristo, manifestarão o testemunho dos de fora de que "estes verdadeiramente estavam com Ele". É na justiça social, na vida de oração, na perseverança da doutrina, no partir do pão, no estender às mãos ao necessitado, aos desprezados. É na proclamação do Kerygma, na manifestação da sua diaconia ao mundo, e na sua koinonia que iremos nos identificar com Cristo que é o cabeça do corpo. Em segundo lugar devemos procurar responder "Onde estamos nós". Se há uma identificação com o caráter de Cristo, a igreja então vai ao mundo, existindo por causa dele, fazendo-o ver a necessidade de uma conversão profunda mas de maneira integral. De modo que a evangelização e sua ação social não sejam simplesmente um departamento localizado na igreja local, mas o fato de existir por si mesma e interagir em um mundo decadente.
 
Cabe a igreja descobrir sua essência, sua natureza e com a ajuda misericordiosa do Espírito Santo, exprimir em sua vida o que existe para a glorificar a Deus e goza-lo para sempre. Isto é a sua missão.

VI. Bibliografia

1. VAN ENGEN, Charles. Povo missionário, povo de Deus. 1a edição. São Paulo. Edições Vida Nova. 1991

2. WALKER, W.W. História da Igreja Cristã. ____ edição. São Paulo. ASTE.

3. BLAUW, Johannes . A natureza missionária da igreja. ___edição. São Paulo. ASTE.

4. BONHOEFFER, Dietrich. Discipulado. 1ª edição. São Leopoldo. Editora Sinodal. 1980

5. CARRIKER, Timóteo. Missão Integral. 1a edição. São Paulo: Editora SEPAL. 1992

6. NEILL, Stephen, História das Missões. 2ª edição. São Paulo: Edições Vida Nova. 1997

7. BUENO, Luiz Augusto Corrêa Bueno. Eclesiologia Missionária. . Garanhuns, 1999. Apostila.

http://familiamatioli.com.br/home/index.php?

 

 

 

sábado, 8 de outubro de 2011

Livros de Missões para download grátis

 

 

O site Editorial Musulmania oferece diversos livros missionários para download gratuito. São livros em espanhol e alguns em português, todos focados em missões aos povos muçulmanos, de diversos e gabaritados autores - que cederam gentilmente os materiais para download sem fins lucrativos. Excelentes recursos para capacitação e informação missionária. No site você pode ter acesso ainda a links interessantes, artigos e etc. 

 

Acesse o site: http://musulmania.com/

 

Um outro site que fornece muito mais livros missionários na língua espanhola, desta vez sobre todos os aspectos da obra missionária, é o Recursos Misioneros. Um detalhe: muitos dos livros oferecidos ali para download gratuito em espanhol, possuem edições impressas em português em nosso país, com direitos autorais registrados. Outros nunca foram publicados por aqui. De toda forma, lembre-se sempre que tais livros são para uso pessoal, e não podem ser vendidos sob nenhuma hipótese. 

 

Acesse: http://recursosmisioneros.com/

 

Ambos os sites são ligados às missões COMIBAM Internacional e PMI Internacional.

 

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Projeto Missionário Rally da Misericórdia nos Pampas-RS em 2012 - Participe!

 

 

 

Enquanto nos grandes centros urbanos há tantos templos, tanto em variedade e quantidade de material evangélico, rádios, TVs e eventos, há ainda muitas vidas nas trevas por falta de quem leve as Boas Novas de salvação.  No Rio Grande do Sul  temos mais de 20 cidades  com APENAS 1% de crentes e igrejas evangélicas !

                          Venha participar conosco desta missão evangelística !

                      Desta vez o alvo é o estado do Rio Grande do sul . Trata-se de várias cidades  com 1% de evangélicos e sem  igrejas  situadas  em média a  300 km da capital do Estado, Porto Alegre.  Você também pode ser usado para anunciar as boas novas de Cristo, a fim de que essas vidas sejam resgatadas pelo poder do Espírito Santo que convence o homem do pecado, da justiça e do juízo.

Quando será?
 
Dos dias 22 a 29 de Janeiro de 2012 
 
Qual o custo desta missão?
 

1.   Passagem aérea: R$423,50 dividido em 6 pagamentos no cartão sem juros ou cheque . Entre em contato com o Sr Marcio da Voe Alto pelo Telefone: 30465700;

2.    Translado: R$ 162,00 – Obs: Pagar até dia 10 de Dezembro 50% e até o dia  10  de Janeiro  de 2012 os 50%;

3.    Camiseta: 15,00 Pagamento no dia do Treinamento ( 20 e 21 de Janeiro de 2012 )

Como se inscrever?
 
                          Visite nosso site para maiores informações - http://vidasemacao.wordpress.com/ 

http://www.amiva.com.br/

Lá encontrará os documentos (ficha de inscrição, carta do pastor e boletim informativo) necessários para sua inscrição no Projeto Missionário Rally da misericórdia nos Pampas/ RS  de 22 a 29 de janeiro de 2012. 

 

 terça-feira, 4 de outubro de 2011

MISSÕES E A GRAÇA DE DEUS

 

 

Pr. Sylvio Macri

 

Graça é a própria essência da salvação. Foi pela graça que Cristo ofereceu-se como sacrifício pelos nossos pecados. Foi pela graça que Deus, o juiz, atribuiu a nós, pecadores e réus, a justiça de Cristo. Foi pela graça que Deus derramou em nossos corações o seu amor e o seu Espírito. É pela graça que já não vivemos mais sob o domínio do pecado. É pela graça que enfrentamos e vencemos as lutas do dia a dia. Será pela graça que um dia entraremos no céu. Graça é o nome do trono onde Cristo se assenta.

 

Em Atos 11.21-23, lemos sobre a obra missionária em Antioquia: “A mão do Senhor era com eles, e um grande número de pessoas creu e se converteu ao Senhor. Quando a notícia sobre essas coisas chegou aos ouvidos da igreja em Jerusalém, enviaram Barnabé a Antioquia. Ali chegando, Barnabé alegrou-se ao ver a graça de Deus e exortava a todos perseverarem no Senhor com firmeza de coração.” Portanto graça é o poder de Deus que pode ser visto operando a obra missionária, é o canal por onde flui o amor transformador do Senhor para todos as pessoas às quais é anunciado o evangelho.

 

Este, aliás, este é “o evangelho da graça de Deus”, cujo testemunho era a própria razão da obra missionária de Paulo (Atos 20.24), o evangelho que ele anunciava de cidade em cidade, dia e noite, de casa em casa, a cada um. Foi “confiado à graça de Deus” que Paulo foi enviado como missionário pela mesma igreja de Antioquia acima citada, tanto na primeira vez, com Barnabé, quanto na segunda vez, com Silas (Atos 14.26;15.40). Era a graça que confirmava e dava poder à sua pregação, e levava as pessoas a crerem (Atos 14.3;18.27,28). Foi à graça de Deus que Paulo se entregou completamente, quando o Senhor respondeu-lhe “A minha graça te é suficiente”, para que pudesse vencer fraquezas, suportar ofensas, superar dificuldades, enfrentar perseguições e sofrer angústias por causa de Cristo (II Coríntios 12.9,10).

 

Portanto, graça é a grande motivação da obra missionária. É a graça derramada em nossos corações que nos faz perceber a miséria deste mundo perdido. É ela que move pessoas a se entregarem à uma tarefa de sacrifício, renúncia e dor, mas que traz imensa alegria quando se contempla um só pecador salvo.

 

Fonte: http://www.prazerdapalavra.com.br

 

sábado, 1 de outubro de 2011

Os contatos do missionário com a realidade missionária indígena

 

Pr. Percio Coutinho Pereira - http://www.ibpeniel.org.br

 

Atos 28.1-10

 

Introdução

1.O apóstolo Paulo era de Tarso, uma cidade universitária da época. O convívio dele flutuava entre duas culturas: a judaica e a gentílica gregoromana. Ele não apenas conhecia bem as duas culturas, como fazia parte delas.

2.Embora Paulo seja um padrão para o trabalho transcultural, só houve dois lugares visitados por ele que eram considerados primitivos.

3.Um desses lugares foi a ilha de Creta. Ele mesmo não começou aquele trabalho. Provavelmente, foram João Marcos e Barnabé na famosa separação das equipes missionárias. Paulo nem mesmo trabalhou em Creta, mas enviou Tito. E teve uma passagem muito rápida por ali. Até que ele quis ficar uns 4 meses, mas a tripulação do navio que ia para Roma não quis e quase naufragaram (At 27.7-23). Mesmo assim, os cretenses tinham costumes de piratas, mas foram colonizados pelos gregos há 1500 anos antes de Cristo.

4.Outro campo missionário transcultural para Paulo foi a ilha de Malta. De fato, este foi o único lugar que Paulo visitou que podemos afirmar que se tratava de cultura diferente da cultura judaico-grego-romana que Paulo tão bem conhecia.

5.Não foi uma visita programada, nem uma viagem missionária. Mas foi o resultado do naufrágio daquele navio cheio de prisioneiros.

6.Por um lado podemos dizer que Paulo chegou acidentalmente (naufrágio), mas por outro lado devemos crer que foi a providência divina que o lançou ali.

7.A chegada de Paulo na ilha de Malta serve de inspiração e modelo para o trabalho missionário indígena.

8.A começar pelo acesso, chegar até à ilha de Malta era um desastre (At 27.41-28.1). Os trajetos para alguns trabalhos missionários indígenas são sofríveis (Exemplo: Foz do Içana).

9.O trabalho transcultural antes de tudo é um contato com uma outra realidade. Para omissionário recém-chegado pode não parecer real, mas é que a realidade é um tanto diferente da realidade que ele está acostumado.

Proposição: O candidato ao trabalho missionário deve se preparar para o contato com outra cultura. A estadia de Paulo na ilha de Malta dá um vislumbre do contato do missionário com o campo de trabalho futuro.Oração Transitória: Os contatos do missionário com a realidade missionária indígena.

 

I. O contato com bárbaros - v.2

1.Há uma forte campanha para evitar termos como estes, mas sempre existiram culturas de costumes primitivos, menos desenvolvidas em relação ao desenvolvimento normal do mundo. São os chamados “povos isolados”.

2.Os gregos apelidaram esses grupos de bárbaros, pois como não falavam grego, a língua oficial, tudo o que falavam aos ouvidos dos gregos soava como “bar bar”, como uma criança articulando as primeiras sílabas.

3.O termo se generalizou até chegar aos nossos tempos. A discriminação não está propriamente no termo, mas em considerar-se mais humano do que esses povos.

4.Alguns povos isolados são bravos. O saudoso missionário Abraão Koop, da Missão Novas Tribos dizia que os Paacas Novos receberam os primeiros missionários com flechas. Assim foi com a tribo Sawi na Papua Nova Guiné, cuja história é relatada no livro “Senhores da Terra”.

5.Os primeiros missionários da New Tribes Missions foram mortos pelos índios Ayoré da Bolívia. As cinco viúvas continuaram o trabalho e viram os assassinos de seus maridos se converterem.

6.Antes da Missão Novas Tribos, três ingleses vieram para o Pará fazer contato com os Kaiopó. Os três foram mortos. Foi escrita a história, não traduzida para o português, desses três jovens. O livro se chama “Os três Freddys”, pois tinham o mesmo nome e a mesma convicção. Isto foi em 1927.

7.Nem todos os bárbaros, ou povos isolados, são hostis. Os missionários das Novas Tribos se preparam para um contato difícil com os Zo’é (na época os Poturu). Para a surpresa de todos o contato foi pacífico. Mais hostis foram os antropólogos que expulsaram os missionários da tribo.

8.O contato com os bárbaros da ilha de Malta foi tão pacífico que eles nem queriam os pertences das pessoas, mas pelo contrário, cuidaram deles e de suas necessidades físicas (v.2).

9.O missionário terá, portanto, contato com pessoas de verdade, amigos de verdade, mas de costumes e maneiras de civilização, às vezes, totalmente diferentes para ele.

 

II. O contato com animais peçonhentos – v.3

1.É impossível negar a realidade de que o missionário encontrará cobras no campo. O Brasil é um país tropical e tem as mais belas e perigosas variedades de cobras. Em Minas Gerais ver cobras é comum; em Mato Grosso matar cobras é comum; no Amazonas ver e matar cobras é inevitável. 2.Daniel Royer, professor no Instituto Missionário Shekinah, em 1988: “Se o medo dominar a pessoa, ele deixará de comer milho por medo de cobras”.

3.Todos os missionários já foram protegidos de picadas de cobra sem mesmo o saberem. Não existem só as cobras que vemos; aquelas que passam antes de nós ou aquelas que chegam depois de nós, também são reais. Os anjos protegem os missionários, também, das cobras. Criancinhas são protegidas por eles muitas vezes. Se algum missionário ou filho for picado não significa que os

anjos dormiram, mas que Deus por alguma razão quis que aquilo acontecesse.

4.Índios são picados por cobras. Os missionários já foram picados por cobras.

Ambos são humanos e as cobras não fazem distinção.

5.O missionário Bill Moore entregou ao Senhor sua filhinha de cinco anos. Uma surucucu foi o instrumento de Deus para levar a criança. Élden, filho do missionário Coy, foi picado por cobra.

6.Os animais peçonhentos, insetos perigosos e outros animais são uma realidade do trabalho missionário. O missionário terá contato com esses bichos.

 

III. O contato com as crendices do povo – v.4-6

1.O missionário poderá ser visto, às vezes, como um intruso e coisas erradas que, porventura, acontecerem na tribo podem ser atribuídas à ira dos espíritos sobre o povo por causa do missionário (v.4).

2.A tribo Maku guarda o costume milenar de proibir que mulheres vejam o rosto do homem que usa máscara em uma de suas festividades. A penalidade para tal ato é abrir uma grande cova, entrar toda a aldeia dentro e colocar fogo para que todos morram. Os missionários não estão isentos de serem a “maldição” e tampouco estariam livres da penalidade.

Outros exemplos

Índios que se abaixam na canoa ao chegar perto de uma montanha com um filete de água. Explicação: É a urina de um demônio que escorre pela montanha.

Índios que saem para o meio da selva uma vez por ano e depositam alimento em cima de uma pedra. Explicação: Alimentando os espíritos que poderiam fazer mal à aldeia.

Na China os velhos são venerados e depois de mortos adorados e invocados {ver NIDA, pg.41}

Já os esquimós exterminam os velhos, colocando-os numa jangada e mandando para as águas gélidas para morrerem {ver NIDA, pg.41}

Muitas culturas não toleram o segundo gêmeo e matam apaziguando os maus espíritos.3.Os povos estão cheios de crendices. Os nativos da ilha de Malta receberam bem Paulo, mas ao ser picado pela cobra viram-no como um assassino sendo perseguido por forças sobrenaturais.

4.Todo missionário aprende a desenvolver um estudo de cultura chamado “Os

Universais”. Cada aspecto da cultura deve ser observado e anotado pelo missionário. Mas ao começar a anotar as crendices o missionário logo vê que a tarefa é imensa. As crendices deles vão de um extremo para o outro. No caso dos maltenses Paulo ou era um homicida ou um deus (v.5 6).

5.O missionário deve ficar atento, pois este é o contato mais sério e difícil dos povos explicarem. É o contato com suas crendices.

 

IV. O contato com chefes de aldeia – v.7

1.O missionário deve se apressar em fazer um bom contato com chefe da aldeia. Isto não significa que será o líder da igreja, mas para ter liberdade de trabalho o missionário precisa ter a aprovação do chefe.

2.Paulo foi bem recebido e ganhou três dias de hospedagem com o chefe da

aldeia (v.7).

3.O candidato à obra missionário precisa aprender a respeitar as autoridades desde já, pois seria o fim de seu ministério se não aceitasse a autoridade de um chefe de aldeia e ultrapassasse as suas instruções. É um contato que precisa de treinado desde já. Aprender a obedecer sem questionar.

 

V. O contato com doentes – v.8-9

1.O candidato ao trabalho missionário indígena faz coisas que dificilmente faria em nossa sociedade. Nem mesmo seria prudente e legal, ou seja, tratar dos doentes.

2.O curso de enfermagem será muito útil, mas nem todos podem ser enfermeiros. A equipe ideal é aquela que tem pessoas com várias habilidades.

3.Mas de qualquer forma, os doentes são uma realidade para o missionário. O amor pelos perdidos deve se estender para o cuidado com a sua saúde. As coisas mais básicas para nós são incomuns para muitos índios. Por exemplo: fazer um índio tomar comprimidos por 15 dias. Ou o missionário aplica injeções ou cuida do índio como cuidaria de um filho: acorda para dar remédio e faz

uma escala para levar o tratamento até o final.

4.Agora multiplique isto por 100, 150, 200 ou mais pessoas. E quando a aldeia é acometida por uma epidemia? E quando há casos em que é necessário pagar um vôo de emergência? Lembre-se que a Missão não custeia remédios e nem viagens. E não poucas vezes o missionário presenciará a morte de crianças e adultos. Outras vezes será acusado pela morte deles por tirar do

curandeiro para tratar com remédios.5.O candidato deve desenvolver a prática da oração pelos enfermos e deixar de pensar só em si. Paulo teve contato com um doente na ilha de Malta (v.8-9).

Lembre-se que Paulo era doente e estava indo para a prisão e saído de um naufrágio, mas no momento não estava se lamentando, porém, pensando nos outros.

6.Um contato certo que o missionário terá de enfrentar, é o contato com doentes e alguns deles com doenças contagiosas.

 

VI. O contato com a honra – v.10

1.Talvez o contato mais perigoso que o missionário terá de enfrentar não é com índios bravos, com cobras, com as crendices, com o chefe ou com doenças contagiosas, mas o contato com a honra.

2.A humildade precede a honra, mas é possível uma outra ordem. Quando missionários não são humildes o suficiente para receber honras, pode ser a ruína deles.

3.Achar que pessoas não viveriam sem o nosso trabalho é a pior arrogância do missionário, pois com tal atitude ele está menosprezando os seus companheiros de ministério e a Deus que Lhe dá capacidade para trabalhar.

4.Paulo foi honrado pelos maltenses e até recebeu oferta deles. Mas Paulo chegou naquela ilha por causa de um naufrágio, foi usado por causa da misericórdia de Deus e saiu dali com as honras que deveriam ser devolvidas a Deus assim que entrasse de volta para a embarcação.

5.Cuidado com o contato com a honra. Quando o missionário fica mais conhecido, ele deve manter a mesma atitude humildade daquela com a qual começou a sua carreira.

 

Conclusão:

1.A vida do missionário é uma vida de contato. Os contatos são reais, porém, uma realidade diferente da sua própria.

2.O contato com povos primitivos (bárbaros). O contato com animais perigosos (cobras). O contato com as crendices do povo. O contato com chefes de aldeia.

O contato com doentes (e doenças contagiosas). O contato com a honra.

3.O preparo missionário ajudará a amenizar o choque desses contatos e a dependência de Deus fará possível esses contatos.

 

{NIDA} Costumes e Culturas – Uma introdução à Antropologia Missionária –baseado na obra de E.A. Nida – 1954 – 2a edição em português 1988 – Edições Vida Nova

 

Fonte: Instituto Bíblico Peniel (ensino missionário) - http://www.ibpeniel.org.br

 

 

 

 

 

 

 

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

I Conferência Missionária 'IMPACTO INDONÉSIA' em Brasília

Clique sobre a imagem para ampliar

 

PRELETORES:

 

ž 1)Daniel Calze – Diretor Nacional PMI-Brasil

ž 2) Carlos Abarca – Diretor da América Latina

ž 3) Luiz Felipe Jordão – Presidente PMI- Brasil

ž 4) Gustavo Fallas (Costa Rica) - Missionário de PMI na Indonésia

ž 5) Larry Legrand - Missionário da Pioneiros na Indonésia

ž 6) Bagus Surjantoro – Indonesiano

 

PROGRAMAÇÃO :

 

DIA 15 DE OUTUBRO DE 2011

ž Abertura da Conferência Missionária: 19 h

ž B) Louvor e Adoração

ž C) Intercessão povos muçulmanos

ž D) Vídeo- O avanço da Igreja entre os muçulmanos

ž E) Momento da oferta missionária

ž F) Pregação 

        G) Desafio povos muçulmanos

 

DIA 16  DE OUTUBRO DE 2011

     EMMP:  9h ás 12h

ž B) Sala 01 : Desafios para plantação de igrejas entre os povos muçulmanos

ž C) Sala 02 :  Perspectiva missionária entre povos muçulmanos

ž D) Templo anexo: Vida do missionário entre os povos muçulmanos

 

    TEMPLO DA 915 : CULTO MISSIONÁRIO 18H

A)    Intercessão

B)    Louvor

C)    Oferta missionária

D)   Pregação

E)     Desafio: adoção de um país muçulmano

 

APOIO:

 

Postado por Sammis Reachers às 08:28

 

 

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A linguagem de missões que prejudica o Reino

Bráulia Ribeiro
 

É a apoteose da conferência missionária. O público é internacional. Delegados de todos os continentes da Terra estão presentes, adorando a Deus a plenos pulmões. Estou sentada ao lado de um casal africano bem vestido, com turbantes e bijuterias artesanais. Estamos unidos e temos uma emoção de reino, de estarmos cumprindo o plano de Deus para a humanidade. As culturas diferentes são uma bênção para o reino, não um tropeço. Os povos do mundo se completam na sua diversidade. Estamos diante do trono.


O louvor termina e nos sentamos. Começa um filme para a promoção de um ministério de misericórdia na África. Em alta definição desfilam crianças com costelas expostas, mães com seios vazios, miséria, fome, doenças, falta de esperança, vergonha. Abaixo minha cabeça. Não consigo mais olhar nos olhos dos africanos ao meu lado. A sensação de igualdade do reino se foi. Tudo o que sobra são os ricos e os pobres, os escolhidos e os não-escolhidos, os que podem dar e os que só recebem de cabeça baixa.


Na hora da oração pergunto ao casal:
-- Como vocês se sentem depois disto? 

A mulher me responde:
-- Infelizmente, para sobreviver, me acostumei...

Alguns anos já se passaram. Muitas missões já mudaram seu paradigma de “países receptores e países enviadores” para “todos em todo lugar”. Porém não fizemos ainda muito progresso quanto a nossa linguagem. As tribos ainda são “primitivas”, a África é uma ferida sangrenta, muçulmanos são mouros terroristas e a China é o gigante desajeitado que inspira desconfiança.

Mesmo que alguns possam argumentar que os estereótipos tenham algo de verdade, quando cremos no reino concordamos com a “imago Dei”. A imagem de Deus nas pessoas e nos povos tem que ser o pressuposto que usamos para vê-los. E deve ser mais forte do que as concepções terrenas. Quando preconceitos nos guiam, esperamos o pior, duvidamos, superprotegemos. Se entendermos o valor e a capacidade conferida pela “imago Dei”, seremos levados a outro nível de relacionamento. Esperar o sonho de Deus ser expresso nas pessoas e nos povos nos conduz ao respeito, à mutualidade, a parcerias verdadeiras, ao reino.

Lembro-me de um pastor amigo me dizendo que a maior parte das cartas missionárias que recebia poderia ser intitulada “Meu sofrimento”. Para fazer minha luz brilhar mais forte, pinto as trevas ao meu redor mais densas. “Admire quão santo sou à luz de quão terrível este povo é”. Esse é um hábito comum desde o missionário que descreve a comida horrível e exótica que comeu entre os selvagens até o pastor que enfatiza o testemunho de pecado das ovelhas antes de se juntarem à sua maravilhosa igreja.

Jesus não era assim. Ele encontrava beleza, fé e generosidade onde aparentemente não havia nenhuma. Ele louvou os fariseus na frente dos judeus que os desprezavam, honrou mulheres diante de homens que não lhes davam valor, contou a história do publicano que alcançou perdão em contraposição ao religioso que não o obteve, se gabou da fé do centurião, o epítome do anti-Deus para o judeu de sua época.

O povo-alvo para Jesus era honrado, cheio de fé, corajoso e honesto. Jesus trabalhou para gerar entre as pessoas respeito e apreciação mútua. 

Como mudar o hábito de usar essa linguagem missionária baseada em preconceitos e que não promove o reino? A regra continua sendo a mesma proposta por Jesus: “O que você não quer que seja feito a você, não faça aos outros”. Se você não quer que seu país seja referência de malandragem, promiscuidade sexual e corrupção política, então não estereotipe o país, a cultura, o comportamento moral e a economia de seu próximo (Fp 4.8).

• Bráulia Ribeiro trabalhou na Amazônia durante trinta anos. Hoje mora em Kailua-Kona, no Havaí, com sua família e está envolvida em projetos internacionais de desenvolvimento na Ásia. É autora do livro Chamado Radical.
braulia_ribeiro@yahoo.com

Fonte: http://www.ultimato.com.br/

 

 

 

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Guía de Capacitación Misionera - Um livro gratuito para você baixar

 

O Ministério Missionary Training Service produz excelentes livretes (em inglês) para a capacitação missionária, que podem ser comprados pela internet. Eles também disponibilizam gratuitamente na internet o livro Guía de Capacitación Misionera, que reúne os textos de diversos livretes. O livro está em espanhol, e apresenta um rico painel de informações para a capacitação missionária, sendo um verdadeiro manual prático para pastores, professores, missionários e candidatos a missionários. 

 

Para baixar o livro, CLIQUE AQUI.

 

terça-feira, 20 de setembro de 2011

6o. Congresso Brasileiro de Missões

 

 

A MISSÃO TRANSFORMADORA DIANTE DA REALIDADE MUNDIAL

CALDAS NOVAS / GOIÁS  - 10 A 14 DE OUTUBRO DE 2011  

 


6o. Congresso Brasileiro de Missões (6o CBM) é realizado pela Associação de Missões Transculturais Brasileiras e pela Associação dos Professores de Missões do Brasil, com apoio da Comissão de Missões da Aliança Evangélica Mundial e do Comibam Internacional. O 6o. CBM será em Caldas Novas-GO,de 10 a 14 de outubro de 2011Nos reuniremos no Centro de Convenções do Hotel Thermas diRoma. Lançamos o congresso em outubro de 2010, com um ano de antecedência, pois acreditamos que um evento desse porte necessita de muita oração e boa divulgação. O 6o. CBM pertence a um contexto maior de despertamento missionário, retratado nesse link. Porém, o seu contexto histórico próximo, nos levou a considerar como poderemos ser relevantes à luz dos grandes desafios atuais. E, assim, após oração, reflexão e muito diálogo, nos pareceu bem definir que o tema do congresso fosse: A Missão Transformadora para a Realidade Mundial.

Foram realizadas cinco edições do CBM. O Senhor Deus tem nos dado graça e os congressos têm sido bênçãos na vida de todos os participantes. A natureza dos CBMs é reflexiva e prática.

Esperamos que possamos tê-lo conosco. O congresso ocorre a cada três ou quatro anos, não perca a oportunidade de 2011.

 

Pr. Silas Tostes

 

Para maiores informações visite: http://www.congressobrasileirodemissoes.com

 

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Euza Lidório, uma mãe missionária

 

http://www.betelbrasileiro.com
 

Conversar com Euza Lidório é uma lição de vida. Em cada frase ela nos ensina algo. Isso, de forma natural e simples, quase como quem não percebe que está sendo mestre. A impressão que tive é que ela foi assim por toda a vida, ensinando os filhos, seus 'alunos' mais chegados. As lições, ela as aprendeu com seu Mestre: Jesus. Euza nasceu em 1934, em Porteirinha, norte de Minas Gerais. Aos 18 anos, casou-se com Gedeon José Lidório, com quem teve quatro filhos. Juntos, eles plantaram mais de 100 igrejas pelos interiores do Brasil, durante 36 anos de ministério, acompanhados por 40 mudanças. Nesta entrevista exclusiva à Raio de Luz, ela fala sobre esses tantos anos de ministério itinerante, sobre família, criação de filhos, desafios dos campos não alcançados e intercessão. Hoje ela coordena o Ministério de Intercessão pelas Nações, que envolve cerca de três mil e quinhentas pessoas nas várias regiões do Brasil. Seu testemunho de vida é marcante. Impossível ouví-la e não sentir vontade de conhecer mais a Deus e serví-lo com mais fidelidade.

 

 

Como foi o início do seu ministério?
Comecei o ministério com o meu marido, Gedeon José Lidório. Nós fomos enviados a várias cidades do Brasil. Nosso trabalho era plantar igrejas, e foi isso que fizemos durante 36 anos até 1993, quando ele faleceu. Foram anos de muita luta e de muita bênção. Junto com as tarefas das congregações, eu tinha também que cuidar dos meus filhos.

Os dois primeiros, Eudalva e Gedeon Júnior, acompanharam as fases de mais dificuldades. A vida missionária tem que ser levada com muita dependência e obediência, assim, íamos a qualquer lugar que a missão nos enviasse. Muitas vezes, fiquei em cidades cozinhando com lenha, não havia água encanada ou eletricidade. Isso não era na África não! (risos) Era no Brasil mesmo, em terras onde não se havia pregado o Evangelho.

Nossos filhos mudaram de colégio inúmeras vezes, mas, com a graça de Deus, eles nunca perderam nem um ano de escola. Muitas vezes passamos por privações financeiras, nessas épocas tínhamos na dispensa somente o necessário. Passávamos anos sem algumas comidas mais caras. Outras vezes não tínhamos remédios, porque o lugar onde vivíamos era muito afastado de hospitais ou farmácias. Também passamos por situações que exigiam um tanto de coragem. Uma vez estava em um avião e tivemos que usar uma estrada para aterrisar e decolar, porque não tinha outro lugar.

 

Como a senhora vê a formação cristã na vida dos filhos?
Parece haver muitos filhos que se afastam do Evangelho quando adultos. A instrução dos filhos é diária. Deve ser regada com amor e sabedoria, mas sobretudo com a Palavra de Deus.

A criança que é criada num lar comprometido com Deus, é feliz e não vai se desviar, na fase da adolescência pode haver conflitos, o que é muito natural, mas a Palavra que foi plantada vai germinar, ainda que pareça demorado aos nossos olhos. Lembro-me de um episódio que ilustra bem o que quero dizer. Quando Gedeon Júnior estava com um ano, recebi a visita de dezesseis pessoas na minha casa. Eu não tinha empregada. Precisava cuidar dele e preparar tudo para receber as pessoas. Logo neste dia ele não queria comer. Eu insistia com amor, mas ele não abria a boca. Então, ele me olhou fechou os olhos, abaixou a cabeça e juntou as mãozinhas para orar. Com tanta correria, eu havia me esquecido de orar, mas ele não! Aquele acontecimento foi uma prova de que mesmo muito pequena a criança guarda o que nós a ensinamos.

Outra vez, foi quando Ronaldo estava com febre. Ele tinha três anos de idade e eu não podia comprar remédio, porque não havia onde. Eu disse a ele que não tínhamos remédio, então eu ia orar, e Papai do céu iria curá-lo. Eu orei com ele. Logo que terminei ele abriu os olhos e me disse: "Já sarei." A febre tinha passado mesmo. Não tenho palavras para agradecer a Deus.

 

E a senhora os ensinou a fazer missões?!
Acredito que sim... Deus, através da vida que levávamos, ensinou isso. Eles andavam conosco para todos os lugares. Viram a fidelidade de Deus e aprenderam a serví-lo. Hoje, os quatro têm ministérios organizados. Gedson e Gedeon Júnior são pastores, Eudalva é missionária e Ronaldo também. Já tenho um neto muito envolvido com o ministério. Ainda bem que sempre me preparei para deixar os filhos seguirem os caminhos do Senhor, que podem ser bem longe de mim.

 

Isso deve ser difícil...
É. Envolve muito choro, muita dor, muita oração. Não é nada fácil, mas temos que nos conscientizar que os filhos não são propriedade dos pais, eles são herança do Senhor, tem as suas próprias vidas, sua própria missão a seguir.

Se os pais não entendem isso e tentam impor sua vontade, os filhos têm muitas chances de serem infelizes. Deus tem o melhor para nós. Eu vivo isso na minha vida, apesar de todas as dificuldades, sou uma pessoa realizada, feliz, pois sei que Deus está realizando sua vontade na minha vida e na dos meus filhos e netos. Ronaldo, por exemplo, já foi preso pelo Sendero Luminoso, no Peru, teve vinte malárias na África e ficou com tuberculose óssea.

Ele veio ao Brasil por causa dessa doença, ficou sarado. Muita gente pensou que ele não iria voltar, mas eu sempre soube que ele voltaria, porque a Missão dele é lá, pelo menos por este período da vida dele. Tanto ele quanto Rossana, sua esposa, tiveram malária cerebral, que é gravíssima, mas ficaram curados. Ronaldo Júnior também teve malária cerebral, logo no início deste ano. Então eu orei. Clamei aos céus, também chamei muitos participantes do Ministério de Intercessão pelas Nações para orar. Ronaldo Júnior foi curado, graças a Deus. O ministério é mesmo cheio de lutas, mas não podemos parar.

 

Como nasceu o Ministério de Intercessão pelas nações?
Foi pouco depois que meu marido faleceu. Eu tive oportunidades de continuar trabalhando com igrejas, como no ministério que trabalhamos juntos. Mas vi que tinha agora outro ministério. Ronaldo estava na África e isso me incentivou muito a orar com mais intensidade pelos missionários, não só pelos meus filhos, mas por todos os que estão no campo missionário nas mais diversas partes do mundo, na seara do Senhor.

O ministério foi crescendo, com a bênção de Deus. Somos pessoas mobilizadas para oração. Atualmente cerca de três mil e quinhentas pessoas estão envolvidas na nossa rede de oração. Distribuímos mensalmente quase quatrocentos calendários de oração, que são reproduzidos pelos vigilantes(é assim que nos chamamos). Nosso lema é: De joelhos, alcançando as nações para Jesus. Rossana sempre me fala da importância da intercessão. Levar o Evangelho é lutar contra o mal, lutar contra o Diabo pelas vidas. É algo muito sério e de muita responsabilidade.

Temos visto isso no nosso ministério e agradecemos a Deus por cada pessoa que faz parte dele e por todas as respostas alcançadas, mesmo quando parecem não ser boas aos nossos olhos, mas sabemos que é a vontade de Deus.

 

Há muitos pais que têm coragem de entregar seus filhos a Deus para fazerem missões?
Não sei se há muitos. O que posso dizer é que sinto ainda muita resistência por parte dos pais. Vejo muitos jovens que querem dedicar suas vidas Deus, ir a lugares não alcançados, ou fazer missões mesmo no Brasil. Os pais fazem seus próprios planos para os filhos, mas o que precisam é lembrar que Deus é quem tem o melhor para nós. Os planos de Deus sempre são os melhores. E nós devemos dar o nosso melhor para Deus, a nossa vida, os nossos bens, nossos talentos e deixar que nossos filhos façam o mesmo.

 

Como os jovens devem agir diante de atitudes como esta?
A Bíblia diz que os jovens devem honrar seus pais. É assim que os jovens devem agir. Missões não é aventura e não é fácil. O jovem que se dispõe a obedecer o chamado de Deus deve saber disso e deve ter sabedoria para agir corretamente, falar com os pais a respeito do chamado que tem. Mas, antes de tudo, ele deve falar à Deus sobre os pais. Se houver dificuldades, Deus vai dar a direção específica a cada um, e principalmente, Ele vai dar paz a respeito de o que fazer, pois a Bíblia diz que a paz é o árbitro, ou seja, ela dá a palavra final, e quando vem de Deus, é sem erro.

 

Como as igrejas têm acompanhado seus vocacionados, seminaristas?
Algumas dão muito apoio. Mas vejo um grande problema, que existe há muito tempo. Muitas igrejas ouvem o vocacionado, chamam à frente da congregação, impõem as mãos, oram por ele e mandam ir... Mas ir para onde, com que preparo? E os seminaristas? Que provações passam... Há tantas igrejas que se comprometem e depois parecem simplesmente se esquecer do compromisso que fizeram. Isso é muito grave.

É um compromisso com Deus! Muitas gastam dinheiro com coisas supérfluas e não gastam nada com missões. É algo triste. Louvo a Deus pelo apoio que Ronaldo tem. Durante o preparo também é imprescindível o apoio em oração, aconselhamento e sustento para o vocacionado. Oro para que nossas igrejas despertem para essa realidade. Se você tem um seminarista na sua igreja, por favor, se importe com ele, ore por ele, pergunte se ele precisa do seu apoio em algo específico e faça o que Jesus gostaria que você fizesse.

 

Como a senhora vê os frutos do seu ministério?
Eu e Gedeon semeamos e colhemos muitos frutos. É o Senhor que dá o crescimento e a graça dele em nossas vidas. Quero louvar a Deus por tudo o que Ele já fez na minha vida e por continuar me usando, com a sua graça. Só à Ele a glória.

 

 

Ministério de Intercessão pelas Nações
De joelhos, alcançando as nações para Jesus
R. Antonio Cavalcanti de Oliveira, 368, Apt 901,
Candeias, Jaboatão dos Guararapes - PE
CEP 54440-351
Telefone: (81) 3469-314
E-mail: rlidorio@hotlink.com.br

 

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Pare o Tráfico Humano - JOCUM promove Congresso e Seminário sobre o Tráfico de Pessoas em BH

 

 

Durante a época da Copa do Mundo da Alemanha, organizações de direitos humanos previam que 40.000 mulheres (muitas menores de idade) seriam traficadas para dentro daquele país para atender à demanda de prostituição. O número estimado para o mesmo evento na África do Sul, no ano passado, também foi de 40.000 mulheres. Apesar de ninguém poder confirmar números exatos, demonstra uma tendência terrível!!!

 

Quantas serão traficadas durante a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 aqui no Brasil? Muito destes números vão depender da nossa postura como Missão e Igreja.

 

Com isso em vista, em Belo Horizonte teremos um evento muito significativo de 29 de Setembro a 5 de Outubro de 2011. Estamos aproveitando o aniversário de 25 anos da nossa base para promover o Congresso Pare com o Tráfico Humano e oSeminário Combate ao Tráfico Humano em parceria com David Batstone e sua equipe da organização NotforSale. Então, venham para Belo Horizonte ser treinados para reconhecer, denunciar e intervir em situações de tráfico, especialmente de mulheres. Venham e participem deste congresso e seminário.


Para obter maiores informações acesse: www.jocumbh25anos.blogspot.com

 

domingo, 11 de setembro de 2011

Envolvendo a Família em Missões

 

Pr. Luiz Carlos de Almeida Silva

 

Conversando com pessoas que querem envolver-se com missões, podemos ouvir a seguinte pergunta: Como posso envolver-me com missões de maneira prática?

A Bíblia nos textos abaixo, incentiva o crente investir na vida espiritual da família. Podemos aprender com estes exemplos: Js 1.8; Dt 6.4-9; Js 24.15; Jó 1.5; Sl 78.1-8; II Tm 1.5; 3.14-15.

Envolver a família com Missões é uma responsabilidade e um privilégio que nós temos como crentes.

Envolver-se com missões estimula hábitos indispensáveis para a vida cristã como oração, evangelização. (II Tm 1.4-7; 3.14,15)

 

Quero compartilhar algumas sugestões de envolvimento com missões:

 

ESTABELECIDO UM TEMPO PARA ENVOLVER COM MISSÕES

1. Determine um tempo que seja adequada para todos. A hora pode ser modificada, mas é necessário que haja aquele momento especial.

2. Sugestão: Estabeleça de início um alvo atingível; talvez 10 a 15 minutos. Se o ambiente é propício é possível ter um tempo maior.

 

O QUE DEVE ACONTECER NO MOMENTO MISSIONÁRIO ?

ALGUMAS SUGESTÕES:

1. Leitura da Bíblia

- Leitura e aplicação do texto missionário.

- Memorização de versículos missionários.

- Busque na Bíblia, desde o livro de Gênesis a maneira que Deus agiu para alcançar o mundo perdido.

2. Oração

- Pelos missionários.

- Pelas necessidades da obra.

 

Fonte: Instituto Bíblico Peniel (ensino missionário) http://www.ibpeniel.org.br 

 

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

PEPE Haiti - Ajude neste esforço misionário

 

 

 

Vítimas de várias tragédias

 

Considerada a nação mais pobre da América Latina, o Haiti (9 milhões de habitantes) atualmente está longe de ter um futuro melhor, uma vez que quem poderia construí-lo não têm acesso à educação: as crianças. O país registra uma taxa de 50% de analfabetismo. É comum as famílias haitianas escolherem um dos filhos para investir em seus estudos.

 

O terremoto de 2010 contribuiu para agravar um outro problema: o número de órfãos, que antes mesmo da tragédia já era de 400 mil. A marginalização das crianças é sentida nas ruas da capital, Porto Príncipe, onde os meninos e meninas perambulam em busca de alimento.

 

É evidente a necessidade de uma ação estratégica que reverta o alto índice de crianças em situação de vulnerabilidade social no Haiti.

 

De onde vem o socorro

 

O PEPE Haiti está ligado ao Projeto Por Um Novo Haiti. O Programa levará às crianças a esperança de um futuro melhor através da educação, com esporte, lazer e um rigoroso programa de nutrição em que as crianças farão várias refeições diárias. Tudo isso num ambiente acolhedor onde o amor de Deus será compartilhado e os princípios cristãos transmitidos às crianças e suas famílias.

 

O PEPE vai possibilitar que os alunos ingressem no ensino fundamental com possibilidades sociais e educacionais necessárias ao desenvolvimento.

 

Objetivos do PEPE Haiti

  • Implantação de 25 unidades no prazo de cinco anos;
  • Preparação de lideres para assumirem a gestão do Programa dentro de 15 anos;
  • Tornar os PEPE's autossuficientes em 10 anos;
  • Capacitar instrutores haitianos nos próximos 5 anos;
  • Disseminar a filosofia de voluntariado nas igrejas haitianas.

 

Para que esses objetivos sejam alcançados será necessário um investimento ao longo dos próximos 5 anos.

 

Necessidades do PEPE Haiti

  • Mobiliário (mesas, cadeirinhas, armários) - R$ 30,00 por criança
  • Materiais didáticos e lúdicos para uma criança - R$ 25,00
  • Um missionário auxiliar de educação - R$ 163,00/mês
  • Alimentação mensal para uma criança - R$ 50,00
  • Um missionário-educador - R$ 245,00/mês
  • Uniformes - R$ 25,00 por criança

 

http://www.jmm.org.br/

Via http://soumovidopormissoes.blogspot.com

 

 

terça-feira, 6 de setembro de 2011

(NÃO) Viaje Para a Terra Santa e Ganhe um Galardão Incomensurável no Céu: Participe desta campanha missionária!

 

Sammis Reachers


Desde o início da Cristandade que existe a prática de peregrinar à Terra Santa, assim como a outros ‘santuários’ cristãos. Prática esta levada a cabo notadamente por católicos romanos ao longo de séculos e séculos (uma a mais de suas centenas de práticas vazias, cal com que caiam sepulcros). Uma mistura cruel de IDOLATRIA e MERCANTILISMO. No entanto, é com tristeza e espanto que tenho visto multiplicar-se ultimamente este tipo de ‘turismo’ entre os cristãos evangélicos/protestantes brasileiros, das mais variadas vertentes: São caravanas e mais caravanas indo todos os anos para conhecer Israel.

 

Primeiramente, reproduzo abaixo um post que publiquei no Twitter, e que foi bastante retuitado, me incentivando a escrever este texto:

 

Não, não, não viaje para a Terra Santa. DEUS prefere que você invista este dinheiro em #Missões . Deixe seu sonho, viva o sonho de seu DEUS!

 

Irmãos, será preciso algum laivo, necessárias algumas gotas de MATURIDADE, ou qualquer criança das EBI’s de nossas igrejas sabe que isso é uma inútil vaidade, e mais, quase um ultraje ao Deus que alegamos servir, e à memória de milhares e milhares de cristãos missionários que deram tudo de si e dos seus para fazer o Evangelho avançar um centímetro, milímetro que fosse, e chegar à minha e à tua porta?

 

E então meu irmão? Preciso me prolongar em argumentos, destrinchar motivos e razões? Há algo a acrescentar, da parte de quem quer que seja? Há o que argumentar? Ou é tudo muito claro, muito simples, não o sendo somente para aqueles que obstinadamente não querem ver?

 

A obra missionária avança, mas avança a passos muito, mas muito mais curtos do que poderia, deveria! Temos material humano e dinheiro, MUITO MATERIAL HUMANO E MUITO DINHEIRO, mas não os empenhamos! Misericórdia, sobre todos nós misericórdia! Até quando dormiremos? Misericórdia! Até quando meu sonho, teu sonho reinará? Até quando o que é só meu, só teu persistirá? Quando será a vez do Outro, do Único? E aí vêm pastores e mais pastores (a cada semana um novo pastor envereda nesta empresa) promovendo caravanas para Israel? O que o Reino de Deus ganha com isso? E por que não descer até o inferno? Mais emoção e aventura, a possibilidade de encontrar pessoas queridas, e muito mais calor do que o deserto do Negueb pode ofertar!

 

Está então lançada a 'Campanha': troque sua viagem para Israel (ou para Ilhabela, ou para Miami) por três meses de sustento para um casal missionário transcultural em Rondônia ou Burkina Faso! Troque suas passagens aéreas por uma moto para os missionários do sertão nordestino! Troque suas estadias em hotéis 4 e 5 estrelas por apoio financeiro a escolas de formação de missionários transculturais aqui mesmo no Brasil, por sustento para vocacionados que querem estudar nestas instituições – mas não podem! Troque sua viagem de cruzeiro por meia tonelada de Bíblias – na língua que você escolher! Troque a bolsa Gucci que é o sonho de sua esposa, sua filha – por uma, duas, ou melhor, mensais ofertas para missionários brasileiros que livram a abrigam meninas vendidas pelas próprias famílias para a prostituição na Índia, Tailândia e Nepal! 

 

Viva os sonhos de Deus! Viva os sonhos de Deus! Enxergue finalmente que esta é a única vida verdadeira! Aceite e exulte por ter sido chamado para não ser, para esvaziar-se – para que Ele seja através de você! Perceba a gritante diferença entre os sonhos dEle e os seus, dê-se conta das vaidades e do vazio delas, do vazio delas – e de seus promotores e incentivadores! Faça a diferença e tenha certo seu Galardão Incomensurável, que lhe será entregue com honras ao mérito ao fim da única viagem verdadeira, a única que importa! Acumule tesouros que os lobos não podem rapinar – acumule no refúgio secreto o quanto puder e não puder, toneladas do único ouro que existe: ALMAS de homens salvos!

 

Não me agrada apontar ninguém, não sou pregador para bradar por santidade do alto de qualquer tribuna – sou só um cristão vendo que caminhamos para o nada e para sepulcros caiados, sou só um desesperado por misericórdia e por MUDANÇA!

 

Participe desta campanha, divulgue o texto e as imagens, republique em seu blog, site e em qualquer mídia ao seu alcance.


O $HOW TEM QUE PARAR. Uma campanha dura de roer, contra uma prática dura de engolir, por uma Missão que NÃO pode parar!

 

:::: ALGUMAS FRASES PARA REFLEXÃO ::::

 

 

 

“Doe sua vida. Doe todo o dinheiro que puder doar, faça todo o trabalho que puder fazer, faça todas as orações que puder fazer. Doe tudo o que puder, porque por toda a eternidade, você olhará para trás e sentirá alegria por tê-lo feito.” - Bill Hybels

 

"A Igreja não existe para satisfazer as nossas necessidades… Nós existimos como igreja para satisfazer as necessidades dos outros." - Joel Houston

 

"Ah, se pudéssemos sentir-nos mais preocupados com o estado de inanição em que se encontra hoje a causa de Cristo na terra, com os avanços do inimigo em Sião (a Igreja) e com a devastação que o diabo tem efetuado nele. Mas infelizmente um espírito de indiferença vem imobilizando muitos de nós." - A.W. Pink

 

"Suponhamos que alguém me oferecesse mil dólares por cada pessoa que eu levasse a Cristo. Será que com isso a minha vontade de ganhar almas para Jesus seria maior do que a que tenho no momento? Se assim o for, quão mesquinha e medíocre tem sido a minha fé em Deus." - D. L. Moody

 

"A Igreja costumava ser um barco resgatando os que perecem. Agora, ela é um cruzeiro recrutando pessoas promissoras." - Leonard Ravenhil

 

"O homem verdadeiramente sábio é aquele que sempre crê na Bíblia contra a opinião de qualquer outro homem." - R. A. Torrey

 

 

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

POR QUE FAZER MISSÕES TRANSCULTURAIS?


Mário Freitas
 

“POIS A TERRA TERÁ CONHECIMENTO DA GLÓRIA DO SENHOR COMO AS ÁGUAS COBREM O MAR” (HABACUQUE 2:14)

A pergunta que fornece título a esse artigo me tem sido feita, na prática, por várias pessoas, em vários lugares onde passo. Na verdade, a questão em geral tem sido: por que fazer missões e apoiar a igreja global, se temos tantas preocupações ainda no Brasil? De fato, o Brasil é um país amplo, predominantemente católico romano, que tem estado distante de Deus e que, justamente por isso, constitui um desafio evangelístico por si só.

Eu poderia responder a esta pergunta argumentando que as igrejas no Brasil são fortes e autônomas, e que sempre haverá alguém para fazer por aqui o que precisa ser feito. Mas esse argumento não seria de todo verdadeiro. O desafio do Brasil continua avassalador, e a mão de obra para essa guerra nunca será demais.

Na verdade, há explicações melhores e mais próximas da Bíblia. Seguem abaixo 3 razões pelas quais eu, pessoalmente, me concentro em missões transculturais, embora respeite, invista e apóie toda e qualquer empreitada missionária no meu país. Espero que minhas razões sejam também as suas, e que você seja usado por Deus para anunciá-lo, de uma forma ou de outra, entre todos os povos.

1. RAZÃO BÍBLICA 

Biblicamente, a missão da igreja não possui uma perspectiva geográfica, mas étnico-contextual, fundamentada na demanda geral de que todo homem precisa ouvir o evangelho.

A Bíblia ordena que preguemos a todos os povos. Meu compromisso, portanto, não deve ser com um país, mas com as nações (ethné, no grego) em todos os países (Mt. 28:18-20). Uma etnia é um grupo de pessoas que compartilha a mesma língua, história e cultura. O mundo é composto de mais de 24 mil grupos étnicos, dos quais mais de 1/3 não são evangelizados. Alguns deles estão no Brasil. Por isso considera-se transcultural e trans-étnica a missão realizada por missionários em alguns contextos do nosso próprio país, como entre os índios da Amazônia, por exemplo.

A compreensão de tribos e etnias pode ser alcançada também à luz do simples conceito de grupos. Há “tribos” diferentes a serem alcançadas nas diversas capitais do Brasil. Confesso que há grupos no Brasil que me preocupam de uma forma especial. É o caso dos adeptos das romarias do Nordeste, dos Ribeirinhos da Amazônia, entre outros.

Levar em conta os diversos grupos étnicos é um papel inegociável da igreja no que tange à sua participação no processo de volta de Cristo (Mt. 24:14). E é também bíblica a idéia da simultaneidade da missão: devemos cumpri-la em Jerusalém e nos confins da Terra, ao mesmo tempo e com a mesma paixão (At.1:8!).

 

2. RAZÃO VOCACIONAL

 Ao longo da história, Deus tem implantado Seu Reino entre os povos através de vocações e oportunidades específicas.

Não teria sentido afirmar a um jovem que alega ser chamado para fazer missões na Índia que ele não deve ir, simplesmente porque há muito o que fazer no Brasil. Atestando-se a autenticidade de seu chamado, tal postura estaria questionando o chamado de Deus. Ou o jovem mente ao dizer-se chamado, ou Deus errou de estratégia. Qual das afirmações seria mais pecaminosa?

Claro que a igreja deve tomar os devidos cuidados no que tange à preparação e ao encaminhamento dos candidatos às missões. Vocações devem ser provadas, atestadas e confirmadas. As juntas de missões sérias somente receberão candidatos que tenham sido enviados por suas igrejas após passarem por longos e criteriosos processos. O que não se pode fazer, no entanto, é descartar o fato de que Deus ainda chama pessoas específica para tarefas específicas em lugares específicos.

Toda a igreja de Cristo é chamada para missões, e todas as comunidades locais devem ser esforçar-se pela implantação do Reino no local onde Deus as plantou. Não faz sentido que a igreja brasileira seja bênção no campo transcultural, mas irrelevante no Brasil. No entanto, enquanto Deus desperta sua igreja aqui, Deus promove chamados específicos para que jovens, adolescentes, homens, mulheres e famílias inteiras se dediquem às missões além das nossas fronteiras.

Duvidar da autenticidade do chamado transcultural específico pode ser um sintoma de incredulidade. Muitos se concentram exclusivamente no desafio do Brasil por não crerem que Deus sustentará ao mesmo tempo todas as obras e todas as missões, em todos os lugares!

3. RAZÃO HISTÓRICA

A negação da transculturalidade e da amplitude geográfica da missão da igreja consiste numa injustiça histórica considerando a forma como o evangelho chegou até nós.

Pense em como o evangelho chegou ao Brasil. Deus usou missionários estrangeiros para trazerem a Boa Nova às terras tupiniquins. No entanto, esses missionários vieram de países onde o trabalho evangelístico ainda era inconcluso. Ainda havia muito o que fazer em seus países de origem. Na verdade, foram muito questionados por isso.

Quando Ashbell Green Simonton veio ao Brasil (1859) e fundou a Igreja Presbiteriana, ele abdicou de fazer missões entre os índios nativos dos Estados Unidos, o que era o foco geral das sociedades bíblicas de sua época. Certamente, foi questionado por isso. Mas Deus colocou o Brasil em seu coração, bem como em muitos outros corações que nos serviram com a verdade do Evangelho. A Deus toda a glória!

 

CONCLUSÃO

Há muito o que fazer no Brasil. A organização que dirijo tem seu foco na igreja sofredora (www.maisnomundo.org), e já ajudamos financeiramente e fisicamente igrejas em situação pós-catástrofe no Rio de Janeiro. Hoje buscamos parcerias no nordeste, reconhecendo que ali há casos de assédio e perseguição religiosa contra pastores e evangélicos em geral. Portanto, o Brasil é ainda campo missionário da igreja nacional.

Mas há elementos bíblicos, históricos, estratégicos e vocacionais que homologam a participação da igreja brasileira em tudo quanto Deus está fazendo nos quatro cantos da Terra. Que Deus nos dê visão global e ampla acerca da Sua vontade. Que Ele esteja!

Fonte: http://feativa.wordpress.com

 

 

 

 

 

 

 

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Morre conceituado tradutor da Bíblia

 

A Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) manifesta seu imenso pesar pela morte do Eugene A. Nida, ocorrido na quinta-feira, 25 de agosto, em Bruxelas, na Bélgica, aos 96 anos. Grande expoente da tradução da Bíblia no século 20, Nida, por mais de 50 anos – a partir de 1943 –, coordenou o programa de traduções da Sociedade Bíblica Americana. Posteriormente, foi o mentor do programa global de traduções das Sociedades Bíblicas Unidas, além de consultor a serviço dessa organização.

“Vai-se talvez o mais influente tradutor da Bíblia de todos os tempos! Milhões de pessoas tiveram acesso à Palavra de Deus, graças a ele”, ressaltou o diretor executivo da SBB, Rudi Zimmer.

Eugene Nida será lembrado principalmente pela revolução que promoveu no âmbito da tradução bíblica, em meados do século 20. O impacto que isso teve sobre o crescimento e o desenvolvimento da Igreja cristã continua a ser sentido ainda hoje, na medida em que milhões de pessoas em centenas de línguas, em todo o mundo, tiveram acesso à Bíblia graças ao método que ele desenvolveu e disseminou.

Valendo-se de conceitos tirados da Linguística, das Ciências da Comunicação e da Psicologia, além de estudos culturais, Nida desenvolveu um enfoque ou método prático de tradução, que ele chamou de equivalência funcional ou dinâmica. Seu objetivo era tornar a tradução clara e compreensível, sem que perdesse a exatidão. Mas a contribuição dele não se limitou à tradução da Bíblia. Nida influenciou também o campo da Ciência da Tradução, que teve origem em sua época. Ele é visto como o homem que deu o pontapé inicial, que levaria ao desenvolvimento dessa disciplina.

Por meio de numerosos livros, artigos e inúmeras palestras, Nida pôde ajudar estudiosos, tradutores e especialistas a encontrar novas formas de comunicar-se de forma eficaz. Seus livros Toward a Science of Translating (Com Vistas a uma Ciência da Tradução), de 1964, e Theory and Practice of Translation (Teoria e Prática da Tradução), de 1969, foram traduzidos para várias línguas e, ainda hoje, são ferramentas essenciais para tradutores da Bíblia. Devido ao seu trabalho acadêmico, sua influência ultrapassou o campo da tradução bíblica influenciando a área da tradução como um todo.

Nida cursou a Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA), formando-se em 1936, tendo o Grego como área de concentração e o Latim como área complementar. Obteve uma das mais altas avaliações na história dessa universidade. No verão que se seguiu à sua formatura, Nida se preparou para começar um trabalho missionário de cunho linguístico com a organização que se tornaria o “Summer Institute of Linguistics” (Sociedade Internacional de Linguística – SIL). Um pouco mais tarde, começou a trabalhar com a língua Taramuhara, no México. No entanto, por problemas de saúde teve de retornar à Califórnia. No período do verão, continuava a treinar tradutores para SIL. Ao mesmo tempo, deu início a seus estudos de pós-graduação, concluindo o mestrado em Grego do Novo Testamento, em 1939, na Universidade do Sul da Califórnia, e o doutorado em Linguística, na Universidade de Michigan, em 1943.

Parceria duradoura Em 1943, passou a trabalhar para a Sociedade Bíblica Americana. Não demorou muito para começar um intenso programa de viagens para ajudar tradutores da Bíblia em todas as partes do mundo. No Brasil, acompanhou o trabalho de revisão da tradução de Almeida, que culminou na publicação da Almeida Revista e Atualizada. Aos poucos, foi desenvolvendo o método da equivalência funcional. Nida se comunicava com extraordinária facilidade e conseguiu mostrar a tradutores, com os mais variados níveis de formação, como poderiam usar o método de tradução que ele desenvolveu. As traduções que resultaram disso eram ao mesmo tempo exatas, do ponto de vista exegético, e compreensíveis para o leitor.

Seu método fez com que a Bíblia se tornasse disponível e acessível numa escala nunca antes vista. Isto vale tanto para línguas da Ásia, África e América Latina, para as quais a Bíblia nunca antes havia sido traduzida, bem como para o inglês e outras línguas mais conhecidas, que já têm uma longa história de tradução bíblica. Exemplos disso são a “Good News Translation”, a “Contemporary English Version”, bem como a Nova Tradução na Linguagem de Hoje. Mas outras traduções, como a Nova Versão Internacional e a Nova Bíblia de Jerusalém, também revelam influência do tradutor.

Quando, em 1946, várias Sociedades Bíblicas locais decidiram trabalhar em conjunto e formar as Sociedades Bíblicas Unidas (UBS), Nida se fez presente na reunião em que essa organização foi fundada e, posteriormente, se encarregou de formatar os projetos de tradução dessa nova organização.

Nida sabia que os tradutores da Bíblia precisavam ter acesso às melhores edições dos textos originais e foi assim que tomou a dianteira em projetos tanto para o Novo Testamento Grego quanto para a Bíblia Hebraica. Disso resultou a publicação de O Novo Testamento Grego das Sociedades Bíblicas Unidas – hoje na quarta edição revisada, com uma edição em português publicada no Brasil –, que é a edição mais usada por estudiosos e tradutores em nossos dias, bem como o desenvolvimento do Hebrew Old Testament Textual Project [Projeto do Texto do Antigo Testamento em Hebraico], que ajuda os tradutores a entender mais de 6 mil problemas textuais relacionados com o texto hebraico.

Ele inovou também no campo da lexicografia, na medida em que desenvolveu uma nova maneira de fazer um dicionário do grego do Novo Testamento. Trata-se do Dicionário Semântico, baseado em domínios ou campos semânticos, que são áreas de significados relacionados entre si. Nesse dicionário aparecem, não as palavras ou os equivalentes de tradução em ordem alfabética, mas os significados, que são agrupados por campos semânticos. Esse dicionário é de imenso valor para os tradutores, na medida em que ajuda a distinguir entre os diferentes significados de uma mesma palavra.

Nida teve seu trabalho reconhecido em várias ocasiões tanto pela Sociedade Linguística Americana (da qual foi presidente em 1968) como pela SBL (Society of Biblical Literature). Recebeu vários títulos de doutor honoris causa bem como outras homenagens de instituições de ensino de todo o mundo.

Seu legado continua através do “Eugene Nida Institute for Biblical Scholarship” da American Bible Society.

Nida foi casado por cinquenta anos com Althea Lucille Sprague Nida, que faleceu em 1993. Algum tempo depois, Nida conheceu a Dra. Elena Fernandez-Miranda, renomada tradutora e intérprete, com quem casou em 1997.


Fonte: Philip C. Stine, com tradução de Vilson Scholz. Philip Stine atuou no Departamento de Traduções da UBS de 1984 a 1998. Antes disso, de 1968 a 1984, havia sido consultor de traduções e coordenador regional da UBS na África.


 

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

1° Cruzada Evangelística e Missionária e Domingo Missionário no Engenho Pequeno - São Gonçalo/RJ

 

 

 

Para maiores informações visite: http://ev-alexanderbarcy.webnode.com.br/

 

 

 

 

 

 

 

Contato

EV.ALEXANDER BARCY

abarcy@ig.com.br

(21) 2712-8510 / (21)7217-4052
msn: abarcy@hotmail.com
skype:abarcy@ig.com.br - ev.alexanderbarcy
orkut:abarcy@gmail.com - ev.alexanderbarcy

Pesquisar no site

© 2011 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátisWebnode